Fábulas - Monteiro Lobato

29 abril 2019

Resenha por: Tânia Bueno
Título: Fábulas
Autor(a): Monteiro Lobato
Editora: Universo dos Livros
Páginas: :176
Adquira o seu: Amazon
Adicione no: Skoob

Avaliação:



Sinopse: As fábulas fazem parte do cotidiano de todas as crianças e passam de geração em geração. Quem não ouviu pelo menos uma vez na vida a história da cigarra e da formiga antes de dormir quando era criança? Ou quem sabe a história escolhida tenha sido aquela da galinha dos ovos de ouro? Ou sua preferida talvez seja aquela sobre a raposa e as uvas… ou talvez a do lobo em pele de cordeiro. Pode ser ainda que você seja fã mesmo é do universo encantado do Sítio do Picapau Amarelo.
E que tal unir as duas coisas?
Com uma roupagem bem brasileira, Monteiro Lobato reconta dezenas das mais famosas e inspiradoras histórias de Esopo e La Fontaine – além de algumas de sua autoria – em meio a uma conversa descontraída entre Dona Benta, Narizinho, Pedrinho e a famosa boneca de pano Emília. E não pense você que os personagens do Sítio do Picapau Amarelo são meros coadjuvantes; eles ouvem atentamente essas lições ancestrais e participam de maneira ativa e crítica das aventuras e descobertas.

Suspirando com este livro de encher o coração de alegria ao lê-lo e rever algumas das mais famosas e inspiradoras fabulas contadas no Sitio do Picapau Amarelo. O livro traz as “contações" de Dona Benta, os comentários inusitados da boneca Emília, reflexões de Pedrinho e Narizinho e a sempre querida tia Nastácia. São todos participantes ativos, fazem relações, criticam o que ouvem e assimilam lições antigas e tão atuais para crianças e adultos. Ainda temos aulas muito legais sobre algumas palavras utilizadas por Dona Benta que, sob a atenção das crianças, indagavam o motivo de usar tal palavra difícil. Por exemplo: questionada sobre o usar a palavra “redarguiu” ser um pedantismo e dona Benta responde que não é pedantismo, redarguir é dar uma resposta que também é pergunta. Tipo: Bonito, não? E tem muito mais minha gente, uma delícia ler este livro.

É incrível como relendo as fábulas percebe-se muita conexão com o nosso mundo atual e note que Fábulas foi publicado a primeira vez em 1922. Através dos animais falantes temos lições fantásticas com a análise sábia de dona Benta que dá verdadeira aula literária, mas o ponto focal são as lições para as crianças hoje já muito adultas e que muitas acabaram esquecendo tais ensinamentos e precisam realmente de reciclagem com relação a gratidão, compaixão, justiça, mas preciso dizer que são pequenos contos fantásticos que devem ser lidos para as crianças e por jovens.

Dona Benta a vovó linda e carismática é uma espécie de mediadora entre as curiosas crianças do sítio e as tramas dos animais falantes dos contos. Algumas fábulas e suas lições são pesadas também para mim e fiquei pensando que era muito para as crianças, mas dona Benta coloca que existem muitas coisas dolorosas e a vida é assim e mesmo na adversidade ela traz grandes ensinamentos.

Na última fábula, Narizinho, Pedrinho, Emília e o Visconde fartos (satisfeitos) de tantas informações e reflexões pedem um tempo para digerir tudo e sabiamente dona Benta concorda, afinal segundo ela, “tudo tem conta, e a maior sabedoria da vida é usar e não abusar.” Mas, não sem antes fazer uma verificação indagando cada um sobre suas conclusões e temos dos amados personagens conclusões incríveis. Dona Benta teve sim, em minha opinião, o papel de educadora que compartilha o que sabe, verifica o aprendizado em uma roda de conversa, aliás, e acredito e penso educação dessa forma.

Tenho que falar que com uma apresentação primorosa da querida Márcia Batista – Gerente Editorial da Universo dos Livros faz abertura desse livro com maestria e o fechamento impecável feito pelo Prof. Doutor e autor Nilson José Machado da Faculdade de Educação da USP.
“Valores como a tolerância e o respeito mútuo, de que tanto carecemos, tanto nos dias de hoje como há setenta anos, encontram-se presentes em toda a obra de Lobato. Seu mérito maior como pensador criativo e empreendedor, como educador e como pessoa, foi uma contínua integração entre as reflexões e as ações. Seu pensamento permanece, assim, vivo e inabalável, e em múltiplos sentidos, fabuloso.” P. 173
Tem trechos cheios de lições e inspirações eis alguns.

“Quem pretende ser o que não é acaba mal.”

“Rico não é quem se encheu de dinheiro, só enriquece quem adquire conhecimentos. A verdadeira riqueza não está no acumulo de moedas, está no aperfeiçoamento do espirito e da alma. A verdadeira riqueza não é a de bolso, é a da cabeça. E só quem é rico de cabeça, ou de coração, sabe usar a riqueza material formada por bens ou dinheiro.” P.19

“Daqui em diante, porém, farei o que me manda a consciência, pouco me importando que o mundo concorde ou não. Já vi que morre doido quem procura contentar o mundo.” P, 23

“— É sempre assim: brigam os grandes, pagam o pato os pequenos. A função do fraco é pagar o pato. Nas guerras, por exemplo, brigam os grandes estadistas, mas quem vai morrer nas batalhas são os pobres soldados que nada têm com a coisa.” P. 36

Você sabe da onde vem a expressão Pagar o pato? Eu não sabia e agora que sei compartilho com você e foi a Emília que me ensinou. “Dois fortes e um fraco foram a um restaurante comer um pato assado. Os dois fortes comeram todo o pato e deram a conta para o fraco pagar...”

Olha que coisa mais linda:
“A gramática é uma criada da língua e não uma dona. O dono da língua somos nós, o povo, e a gramática o que tem a fazer é, humildemente, ir registrando o nosso modo de falar. Quem manda é o uso geral e não a gramática.”

Bom minha gente, é isso! Livro indicadíssimo para jovens leitores, para educadores, para pais e familiares lerem para as crianças, conversarem a respeito e nessa troca as crianças vão entrando em contato com valores importantes e os adultos revisitarão valores esquecidos e tão importantes nos dias de hoje.

Beijos
Tânia Bueno
­­


Comente com o Facebook:

14 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Ahhh, que coisa mais linda esse livro, não sabia dele ainda! Deve ser muito bom poder ler as fábulas que fizeram parte da nossa infância. Amei a resenha, já quero o livro!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Oii, tudo bem?

    Eu amo as fábulas de Monteiro Lobato, minha mãe sempre as lia para mim. Vou tentar pegar algumas para ler neste ano, relembrar as histórias, os ensinamentos.

    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  3. Oiii Tânia

    Monteiro é um autor atemporal pra mim, a delicia de ler o que ele escreveu, tudo parece atual, não dá pra notar o passar do tempo, nunca se torna antigo suas histórias e personagens. Amo demais, O Sitio fez parte da minha infância e guardo no coração um carinho enorme, porque só me lembra de uma época muito boa da minha vida. Adorei a dica.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?

    Monteiro Lobato é um tesouro que temos na nossa literatura, né? Não conheço alguém que já não tenha se encantado por algum dos mundos criados por ele. Adorei a indicação dessa obra dele. Sua resenha ficou incrível!

    Beijos,
    Blog Diversamente

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Confesso que não li muito Monteiro Lobato quando era criança, acho que só uns dois livros. Não conhecia esse ainda, mas acredito que as fábulas sejam muito interessantes e repletas de lições importantes para as crianças e adultos também.
    Adorei a resenha e acho que você trouxe uma ótima dica de leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Que nostálgico!
    Eu amo as fábulas do Monteiro Lobato e só vem recordações maravilhosas quando penso na minha infância. Achei essa edição linda e sem dúvidas comprarei para os meus sobrinhos <3

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  7. Já estou apaixonada só pelo que li na sua resenha, os trechos do livro me deixaram encantada. Já quero o livro para ler com meus adolescentes por aqui.Acredito que irão aprender muito e será uma ótima oportunidade pra debater com eles

    ResponderExcluir
  8. Oi, parece ser uma leitura muito inspiradora, que através das fábulas e dos personagens do Sítio, passa lições muito importantes para crianças e para os leitores mais crescidos também. Já quero ler!

    ResponderExcluir
  9. Eu nunca li nada do Monteiro, mas tenho muita vontade! Adorei saber sobre essa obra, fiquei encantada com a história e acho que vou gostar muito da leitura. Amei a resenha!
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Que livro mais encantador, eu ainda não conhecia essa edição e estou caindo de amores por ela através da sua resenha. Gostei muito de conhecer a obra, obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  11. Monteiro Lobato é incrível e saber que tem um livro com suas fábulas aquece meu coração! Quero muito! Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  12. Conheço o livro e é bem interessante, aliás, me faz recordar que gostava muito de assistir o Sítio do pica pau amarelo na TV Cultura. Quando uso as obras de Lobato em sala de aula, sempre abro a discussão para questão do racismo, muito forte no autor, lógico, sem demonizar, até onde é possível, o trabalho enquanto arte.

    ResponderExcluir
  13. Oi Tânia!
    Tenho um carinho enorme por Monteiro Lobato, afinal Emília e sua turma fizeram parte da minha infância.❤
    Sempre que trabalho fábulas com os meus alunos incluo algumas de Monteiro Lobato para que as crianças possam conhecer um pouquinho dele.
    Gostei demais da sua resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Oi! Eu li muito os livros do Monteiro Lobato na infância, e tenho muitas memórias com as histórias dele. Cada aventura, os trabalhos de Hércules, o sítio do Pica-pau Amarelo, o saci, Emília e todos os outros personagens. Os ensinamentos e lições estavam presentes em grande parte, se não em tudo, nas histórias, embora o teor preconceituoso e discriminatório fossem altos, devido a época do autor. Mas agradeço a dica!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir

Autores Parceiros