Os inconfidentes - Uma história de amor e liberdade - Carlos Alberto de Carvalho

29 setembro 2018


Resenha por: Tânia Bueno
Título: Os Inconfidentes – Uma história de amor de liberdade
Autor(a): Carlos Alberto de Carvalho
Editora: Universo dos Livros
Gênero: Romance histórico
Páginas: :176
Adquira o seu: Buscapé
Adicione no: Skoob
Avaliação:

Sinopse: Com determinação e rebeldia, Bárbara Heliodora e Alvarenga Peixoto lutaram pelo amor e pela liberdade em meio a um período de injustiças e opressão. Com grande maestria, o escritor Carlos Alberto de Carvalho nos apresenta um romance sobre os personagens de um dos casos de maior destaque da política brasileira no período da Colônia: a Inconfidência Mineira. Tecendo no limiar entre o real e a fantasia junto a cenários verdadeiros e fatos históricos, o autor nos apresenta a história de amor entre os inconfidentes Alvarenga Peixoto e Bárbara Heliodora, que se opuseram às altas taxas impostas pela Coroa portuguesa e junto a personalidades já conhecidas, como o poeta Tomás Antônio Gonzaga e o alferes Joaquim José da Silva Xavier – o Tirandentes–, deram início às reuniões clandestinas que culminaram na Inconfidência Mineira no século XVIII.

Comecemos lembrando um pouco a história da Inconfidência, pois no livro o foco não é a história já que o autor passeia de forma rápida nela e, apesar de muitas pessoas apontarem como ponto negativo esse fato, penso que o autor se prestou mais a apresentar o lindo romance / a história de amor e cumplicidade de Bárbara Heliodora e Alvarenga Peixoto, amor tão grande que extrapolou para se posicionarem contra os desmandos de Portugal e acho louvável o autor ter se prendido ao romance, afinal em um livro tão curtinho seria impossível abordar todo um conteúdo histórico grandioso e abrangente como foi a Inconfidência.

Espero que não se cansem, mas um pouco de história para situar se faz necessário:

“A Inconfidência Mineira foi uma das maiores revoltas do Brasil Colônia. No ano de 1789, um grupo de poetas, profissionais liberais, mineradores e fazendeiros tramavam tomar controle de Minas Gerais. O plano seria colocado em prática em fevereiro de 1789, data marcada para a cobrança da derrama, entende-se que Derrama era um imposto e uma região não conseguisse pagar 1500 quilos de ouro para Portugal, soldados entravam nas casas das pessoas para pegar bens até completar o valor devido.
Aproveitando da agitação contra a cobrança do imposto, os inconfidentes contaram com a mobilização popular para alcançarem seus objetivos. Entre os inconfidentes estavam poetas como Claudio Manoel da Costa e Tomás Antonio Gonzaga; os padres Carlos Correia de Toledo, o coronel Joaquim Silvério dos Reis; e o alferes Tiradentes, um dos poucos participantes de origem popular dessa rebelião. Eles iriam proclamar a independência e a proclamação de uma república na região de Minas.”

Objetivos principais: - Obter a independência do Brasil em relação a Portugal; - Implantar uma República no Brasil; - Liberar e favorecer a implantação de manufaturas no Brasil; - Criação de uma universidade pública na cidade de Vila Rica.

A Questão da Escravidão: Não havia consenso com relação à libertação dos escravos. Alguns inconfidentes, entre eles Tiradentes, eram favoráveis à abolição da escravidão, enquanto outros eram contrários e queriam a independência sem transformações sociais de grande impacto.

O fim da Conjuração Mineira (Inconfidência Mineira): O movimento foi delatado por Joaquim Silvério dos Reis ao governador da província, em troca do perdão de suas dívidas com o governo. Os inconfidentes foram presos e condenados. Enquanto Tiradentes foi enforcado e teve seu corpo esquartejado, os outros foram exilados na África.

Fonte: Brasil Escola, 2016 e historiadobrasil.net

Como se sabe a história é bastante densa, longa e importante e o autor se vale de trechos um tanto fragmentados para nortear o leitor sobre a época tanto no Brasil quanto em Portugal com a loucura da rainha D. Maria I. Mas como eu coloquei acima penso que o ponto focal do livro foi a história de amor de um casal que se completava em praticamente tudo e amor deles pelo Brasil não aceitando injustiças, ambos inconfidentes, Bárbara Heliodora e Alvarenga Peixoto se apaixonaram e se casaram por amor. Antes de conhecer Alvarenga ela era cortejada por poderosos homens, mas não dava trela a eles e quando avistou Alvarenga seu coração palpitou diferente. Ele um advogado carioca que valorizava a opinião de Bárbara e mais que isso, em uma época em que a mulher jamais era considerada em questões políticas ou econômicas, ele apoiava e incentivava Bárbara em suas opiniões e decisões, ele realmente contribuiu para que ela se tornasse cada dia mais dona de si e se posicionava com segurança e coerência surpreendendo os homens que participavam das reuniões que aconteciam às escondidas.

O trecho a seguir para mim fala muito sobre esse casal tão importante em um momento de abuso de Portugal sobre a colônia Brasil.
“Quem há de saber os governos do coração ou quem há de se deixar envolver pelos desmandos dos afetos? Eles se deixaram, conhecer e no envolvimento afetivo foram surpreendidos pelas mazelas constantes da vida.
O infortúnio assaltou a vida do homem e da mulher, mas o equilíbrio fundamentado no amor deu-lhes segurança, paciência. Sim, Alvarenga Peixoto e Bárbara Heliodora eram amantes e no amor garantiram-se.”

Eu amei os poemas que li no livro, gostei de conhecer uma mulher forte à frente do seu tempo que não se dobrou ao machismo, casou com o homem que amava e através dele os outros homens, inclusive seu pai e seu irmão passaram a valorizá-la sobre outras perspectivas.

Apesar de ser um livro bem curtinho eu demorei a me conectar com a leitura, mas depois me empolguei. No final foi bacana, pois me fez relembrar parte da nossa história e de algumas mazelas, fiquei feliz com a forma que o autor conduziu o romance e simplesmente fiquei amei ler a biografia dos principais personagens que compuseram o romance, achei que o autor super acertou ao presentear o leitor com esse cuidado, então temos um resumo histórico de cada um e isso fecha o livro e sabemos o que aconteceu com cada um.

O trecho a seguir também me marcou, pois Alvarenga demonstra ser justo e contra a escravidão, o que ele diz para o fiel Toinho:
“— Você é meu amigo, não meu escravo, e logo resolverei isso!
— A carta! Terei finalmente a carta?
— Pois sim, a carta, porque os amigos não prendem uns aos outros senão pelos laços da amizade” 

Este livro para mim está classificado dentro gênero romance histórico, pois foi baseado em um fato histórico e leva 3 estrelinhas = Bom, por não ter prendido minha atenção desde o início, mas sem dúvida merece ser lido e se você gosta de história aconselho a ler e depois me contar o que achou.

Sobre o autor: (não encontrei foto dele)
Carlos Alberto de Carvalho vive no Rio de Janeiro e é mestre e doutor pela Pontifícia Universidade Católica-RJ. Sua experiências literárias tangem a mitologia, a fabulação e os romances históricos, abordando temas das culturas gregas, africana e nacional.
Em 2013, foi selecionado para o Programa Nacional de Bibliotecas Escolares (PNBE) com o romance Chica, Sinhá! em que narra, com grande requinte literário, a vida da lendária ex-escrava Chica da Silva; e em 2015 foi agraciado com a novela histórica Valetim, o Mestre, ilustre entalhador e escultor que viveu no século XVIII

Um grande reflexivo neste momento estranho de eleição no Brasil.
Tânia Bueno

Comente com o Facebook:

16 comentários:

  1. Tudo bem TTânia? Já vi esse livro por aí, mas não despertou interesse, essa é a primeira resenha que eu leio.
    Sua resenha está bem detalhada e sincera. E não sou muito desse tipo de leitura, apesar de atualmente estar me embrenhando "por águas novas", ainda assim o fato de não ter te prendido e ter faltado essa conexão me desanimou, pois sei que curte o gênero.
    Mas foi bom saber que nessa história tem uma mulher forte, pois em se tratando de algo histórico, acho isso sempre interessante. Pois foi em um período distante que começou o empoderamento e o movimento onde as mulheres começaram a perceber sua força e sua capacidade.


    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Uau que história impactante, adorei o que trata a história e gostei bastante da personalidade da protagonista ( mulher), pois além de ter se casado com quem ama, não deixou se abalar pelo machismo do país e ainda conseguiu o respeito dos homens a sua volta.

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Adorei sua resenha muito bem escrita e detalhada, da para ter uma noção do quanto a história vem com uma bagagem realista. Não conhecia o autor nem a obra, e infelizmente não é algo que eu me sinta a vontade de ler, mas me parece ser um livro esplendido que merece ser lido.
    Obrigada por compartilhar conosco!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi, Tânia. Mulher do céu, eu tive aula com o autor na faculdade e quando vi que o meu professor era também um escritor eu fiquei muito curiosa com o livro dele, mas ainda não tive a oportunidade de ler. Eu adorei conhecer um pouco mais sobre a obra e acho que vai ser uma ótima leitura para mim, mesmo sabendo que o começo pode demorar um pouco mais para me envolver. Livros de romance histórico sempre me despertam um grande interesse!

    ResponderExcluir
  5. Oi Tânia,
    Não sabia que esse livro era de um autor brasileiro, mas isso me animou, pois, além de abordar um tema que é muito pouco discutido - A inconfidência - o livro parece ser muito legal. Gostei da contextualização do momento histórico que o autor trouxe e, assim como você, acho importante que isso seja retratado.
    Sobre a mocinha: já apaixonei. Adorei saber que ela não se dobra ao machismo e que os outros homens, a sua volta, notam isso e começam a vê-la com outros olhos.
    Vou anotar a dica :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Entendo o autor em não se aprofundar no contexto histórico. E mesmo com poucas páginas, parece ser uma leitura bem agradável, sem falar que é maravilhoso saber que tem uma mulher forte e bem a frente do seu tempo. Só me preocupa com a forma que ela foi desenvolvida (já que foi na visão de um homem rs) mesmo assim fiquei com vontade de ler. <3 Adorei sua resenha

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  7. Oiii Tânia

    Eu amei esse detalhe das biografias no final. Esse período da história do Brasil é super pouco retratado e só por isso já leria o livro, além do mais gostei da personalidade à frente da mocinha da história e do fato de ambos serem defensores da Inconfidência. A capa está maravilhosa, pena que demorou pra conectar com a história, mas ainda assim parece que valeu a pena depois que pegou o ritmo né.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  8. Olá, acho muito importante termos livros que romanceiem partes da nossa história. Sou de Minas e fico pensando como estaríamos hoje se a revolta não tivesse sido delatada. Gostei de conferir sua opinião sobre esse livro e já quero poder ler sobre esse casal tão marcante.

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Não gosto de ler romances históricos porque eu acho que nunca retratam tão bem a história, então prefiro algo que use ficção mesmo. Ainda mais por se tratar de escravidão, creio que me incomodaria um pouco com a leitura.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  10. Olá,
    Não conheço a obra, mais estou bem curiosa pois eu gosto quando os livros trazem um pouco da historia e esse trouxe e me deixou intrigada com a historia. Dica anotada

    ResponderExcluir
  11. Esse livro é bem diferente dos que costumo ler...Mas de alguma forma fui ler sua resenha e ele me chamou atenção, parece ter um clima diferente da maioria do mesmo estilo sabe? Fiquei interessada, vou dar uma procurada por ele XD

    Muito obrigada pela recomendação!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Oi Tânia tudo bem? Não conhecia o autor, espero que por ser um livro histórico de poucas páginas não deixe passar algumas informações pois no contexto da trama temos coisas muito importantes, anotei aqui para procurar esse livro, adoro romances, fiquei curiosa sobre o final, sua resenha foi direta e sincera parabéns, bjs!

    ResponderExcluir
  13. Oi Taninha, sua linda, tudo bem?
    Geralmente os romances são de época, é mais difícil encontrar um histórico (isso para quem diferencia os dois). Gostei que o autor trouxe dois personagens fortes com um amor forte e no contexto um período de nossa história muito difícil. Parece ser uma boa leitura para se fazer em momentos de ressaca, vou anotar sua dica. Como sempre adoro suas resenhas, sei exatamente o que irei sentir pelas suas impressões.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  14. Não conhecia o livro e amei a dica. Penso que s o autor escreveu pouca páginas e ficou no romance, caberia enquadrar em romance de época não!? Mas enfim o importante, pelo jeito foi inserir esse romance a época da Inconfidência.
    Com certeza as informações adicionais que vc colocou na resenha são muito importante para situar leitores.
    Parabéns pela leitura e valeu pela dica. Beijão

    ResponderExcluir
  15. Oi, Tânia! Por um momento achei que seria o livro que a Globo usou para fazer uma minissérie, bem interessante, por sinal.
    Acho que é comum que você não se prenda logo ao início da trama, já que tem uma veia histórica aí que às vezes pode ser enfadonha. Mas pelo menos você conseguiu seguir a leitura e que bom que ela melhorou aos poucos.
    bjs
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  16. Oi, Tânia! Não conhecia o livro e achei muito interessante o fato dele se passar no Brasil e em uma data tão importante! Concordo com vc, que o autor não tem que contar a história da Inconfidência, mas se nos fatos que ele trouxe, houve veracidade, está tudo perfeito! Estou muito curiosa por esse romance, amei a dica!!!

    ResponderExcluir

Autores Parceiros