Uma certa história de amor - Milena Agus

07 abril 2019

Resenha por: Tânia Bueno
Título: Uma certa história de amor
Autor(a): Milena Agus
Editora: Leya
Gênero: Romance
Páginas: :143
Adquira o seu: Buscapé
Adicione no: Skoob
Avaliação:

SINOPSE: Uma certa história de amor, romance da escritora italiana Milena Agus, é de leitura tão suave que, num piscar de olhos, se chega ao fim. No entanto, este livro, como todas as boas histórias de amor, é cheio de segredos. Sua narrativa precisa, que não desperdiça palavras, e também apaixonada, mantém o leitor atento, curioso, ávido por apenas mais um encontro, e vai se revelando aos poucos, surpreendendo em cada detalhe.
Desde o início da década de 1940 até os primeiros anos deste século XXI, acompanhamos a vida de personagens que combinam a sensibilidade do sonho e a crueza e espontaneidade do corpo. O mundo muda vertiginosamente, mas eles permanecem fiéis ao desejo de conhecer o amor verdadeiro, “a
coisa mais importante que existe”.
Na Itália das ilhas e do Continente, das aldeias e das cidades à beira-mar, das cores vivas e dos cheiros característicos, a história de amor que uniu a moça de cabelos negros, meio louca e imoral, o viúvo refugiado solitário e o veterano de guerra cheio de dúvidas reúne personagens tão intensos e inesquecíveis quanto os de Elena Ferrante – e vai arrebatar o leitor brasileiro como já fez com milhares de pessoas em todo o mundo.

Narrada por uma neta apaixonada pela avó paterna, Uma Certa história de amor, nos traz a história de mulheres que com muita garra conseguem se sobressair em mundo machista quase no pós segunda guerra com todos os seus horrores. Entretanto, o destaque é para a avó paterna que era uma mulher à frente do seu tempo que só queria viver um grande amor, mas seus pretendentes fugiam em decorrência dela escrever poemas ardentes e até erotizados demais para a época, isso os assustavam . Este motivo corria no vilarejo de uma cidade distante da Itália e a mãe de nossa protagonista a espancou muito e a rejeitava como filha, mas era querida e aceita pelas irmãs e pelo pai. Ela passou a ser considerada por muitos como louca. Aí fiquei pensando no absurdo que é quando se rompe com padrões impostos por algumas sociedades e é mais fácil dizer que a pessoa é louca e se afastam dela, chego a ficar furiosa com isso, pois ela apenas escrevia poemas sobre o corpo e suas sensações.

Esta avó realmente me encantou como encantou sua neta por falar o que pensava, era privada de tudo e por causa de seus escritos foi impedida de continuar frequentando a escola, mas continuou lendo e escrevendo escondido. Tem como não amar uma pessoa dessa?


Passados alguns anos surge na vila um viúvo refugiado sem família que aceita casar-se com nossa protagonista mesmo ela afirmando que não o amava e ela se lamentava para Deus em suas orações o motivo pelo qual não lhe dera um grande amor.

Após o casamento ela precisa ir se tratar em uma terma distante para cuidar de problemas renais que lhe causava dores horrendas. Após o casamento e morando em Cagliari, não lia e não falava para ninguém sobre seus poemas por medo de descobrirem que ela era louca como aconteceu onde morava antes de se casar. Nas Termas ela conhece um veterano guerra que lê muito, parece solitário e distante passam a conversar e a passear e ele ouve os poemas dela e afirma que ela não é louca e ela o ouve falar sobre piano que gosta de tocar e sobre grandes nomes da música clássica e trocaram segredos e descobriram uma conexão impressionante que com certeza fez toda diferença quando saíram das termas e voltaram à realidade que foi modificada por esta convivência. Não falarei mais porque com certeza darei spoiler desnecessário.

“O veterano dizia que ela não era louca coisíssima nenhuma; era uma criatura feita por Deus num momento em que Ele não queria fazer uma mulher, dessas feitas em série, e a criara num instante raro de inspiração. Minha avó ria com vontade e dizia que ele também era louco, e que era por isso que não reparava na loucura dos outros.” (P.66)

Este livro tem alguns trechos que chamaram minha atenção e me fizeram refletir sobre algumas questões, eis alguns para degustação.

“O Amor não dá importância à idade nem a qualquer outra coisa que não seja o amor. O amor é mais importante do que todas as outras coisas.” P. 75

“Quando minha avó percebeu que já estava velha, me dizia que tinha medo de morrer. Não pela morte em si, que devia ser como ir dormir ou fazer uma viagem, mas sabia que Deus estava ofendido com ela, porque ela não tinha conseguido ser feliz, e isso Deus não podia perdoar. No fundo, esperava ser mesmo doida, porque se fosse sã o inferno era certo. Mas havia de discutir com Deus, antes de ir para o inferno. Ela o faria perceber que, se Ele cria uma pessoa de uma certa forma, depois não pode querer que ela aja como se não fosse ela.” P.93

“Numa família alguém deve ficar com a confusão, porque a vida é assim mesmo, um equilíbrio entre dois contrários, de outra forma o mundo torna-se rígido e para.” P.123

“Não é preciso colocar ordem nas coisas, mas aceitar a confusão da vida, e rir dela.” P. 130

Uma certa história de amor é um romance leve, apaixonante, envolvente e surpreendente que com apenas 143 páginas a autora Milena Agus, ela tem uma sensibilidade e profundidade na escrita que é algo fenomenal, conseguiu desenvolver uma trama com começo, meio e fim sem enrolação e não deixa nenhuma ponta solta.  Este livro já foi publicado em 15 países e adaptado para o cinema em 2016, produzido na França sob o título UM INSTANTE DE AMOR e pretendo assistir ao filme para verificar como foi a adaptação.

“Nunca deixe de imaginar histórias. A senhora não está louca. Nunca mais acredite em quem lhe disser coisa tão injusta e tão maldosa. Escreva. Sempre.”

Beijocas
Tânia Bueno

Comente com o Facebook:

15 comentários:

  1. Tudo bem? Não lembro de ter visto esse livro por aí.
    Não costumo ler livros assim, mas a premissa me chamou bastante atenção e sua resenha me agradou. Fiquei curiosa para ler. As vezes é bom ler romances leves e que de alguma forma ainda te surpreende.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Eu ainda não conhecia esse livro, mas pelo o que tu disse parece ser uma leitura bastante necessária e interessante. Adorei tua resenha e dica, assim que tiver a oportunidade irei ler!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Ainda não conheça o livro, mas achei legal toda essa liberdade de sentimentos que avó carregava. Gostei muitos dos quotes. Vou tentar achar o filme par a assistir.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  4. Oi Tânia.

    Amei sua resenha. Eu estou com muita vontade de ler este livro, mas ainda não tinha procurando uma opinião sobre ele e gostei de saber que se trata de romance pós segunda guerra. Com certeza estou adicionando na minha lista de desejados para ler e quem sabe apaixonar pela história. Obrigada pela dica.

    Bjos
    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Olá! Não conhecia o livro ou a autora, mas achei uma história linda, e o romance, mesmo que breve, parece ser delicado e que enche o coração da gente de sentimentos bons. Amei a dica!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia esse romance, mas achei muito interessante o momento histórico e as discussão quanto ao papel da mulher na sociedade e o que é aceitável ou não ela fazer. Deve ser um romance e uma reflexão sobre o amor muito envolvente. Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem? Não conhecia o livro e ele me interessou bastante. Gosto de livros que falem de mulheres e de romper padrões. Vou deixar na minha wishlist. Aposto que a gente aprende um monte em ser a gente mesma hehe.

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Nossa adorei esse romance, ainda mais por ser uma obra que notoriamente se lê de uma vez. Gosto desse tipo pra quebrar o tédio ou pra entercalar entre leituras mais tensas ou pra curar ressaca literária. Vou anotar a dica. Não conhecia a obra, mas adorei conhecer!

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que nunca tinha ouvido falar sobre esse livro ou a autora. A princípio, não pareceu ser meu estilo de leitura. Porém, à medida que fui lendo a sua resenha, fiquei mais curiosa conferir. Parece ser uma história sensível e, sendo tão curtinha, acho que vale a pena arriscar.
    Adorei sua resenha e vou anotar a dica.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Acho que nunca tinha visto nada sobre este livro e fiquei muito surpresa ao saber que ele foi adaptado para o cinema. Fiquei com muita vontade de ler, adoro romances e achei a capa diferente e bonita.

    ResponderExcluir
  11. Logo no primeiro parágrafo, quando você diz que a mulher consegue sobressair ao mundo machista da segunda guerra, já me chamou total atenção! Livros com a narrativa em Guerra me conquistam demais, e agora com um tema bem importante e necessário para o dia-a-dia, me deixou completamente encantada. O livro é bem fininho, mas parece encantar profundamente! Adorei.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem? Eita, livro bem curtinho né?! Como curto romances apaixonantes, com certeza anotarei a dica. Não conhecia a autora, mas posso ver o renome dela. Adorei!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Olá, adorei suas considerações em relação a obra, eu particularmente gosto muito de romance então fiquei bem curiosa pela leitura, beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oie!!

    Confesso para ti que até o presente momento eu não tinha conhecimento sobre esse livro e nem sobre a autora do mesmo. Achei a capa bem bonita e no inicio da sua resenha pensava que esse livro não era para mim, porem, ao terminá-la, fiquei extremamente curiosa para o ler, principalmente porque amo romances.

    beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá

    Eu fiquei fascinada pela história e principalmente pela personagem que é intensa como uma tempestade e sei bem o que é ser vista como "doida" quando demonstramos nossos sentimentos e pensamentos de forma "fora do padrão comum" da sociedade" e tirando que adoro a Itália.

    Beijos e linda resenha!

    ResponderExcluir

Autores Parceiros