Cruella - Disney (Filme)

19 junho 2021


Resenha por:
 Tânia Bueno
Filme: Cruella
Direção: Craig Gillespie
Roteiro:Tony McNamara e Dana Fox
Duração:134 minutos
Nota:

Sinopse: Ambientado na Londres dos anos 70 em meio à revolução do punk rock, o filme mostra uma jovem vigarista chamada Estella, uma garota inteligente e criativa determinada a fazer um nome para si através de seus designs. Ela faz amizade com uma dupla de jovens ladrões e, juntos, constroem uma vida para si nas ruas de Londres. Um dia, o talento de Estella chama a atenção da Baronesa Von Hellman, uma lenda fashion que é devastadoramente chique e assustadora. Mas o relacionamento delas desencadeia um curso de eventos e revelações que farão com que Estella abrace seu lado rebelde e se torne a Cruella.




Estou encantada com o filme Cruella, a mais nova vilã da Disney a ganhar um filme que nos mostra o outro lado da personagem e o motivo que a levou a ser assim, até porque acredito que vilões não nascem vilões e sim que uma sequência de vivências e exposições a ambientes tóxicos os fizeram ser o que são. Mas como na vida, não sei o motivo, tem sempre esta necessidade da dualidade entre as coisas, bem e mal, vilões são sempre ruins e merecem o fogo do inferno, quer dizer, para mim há controvérsia, pois muitas vezes me apaixono por alguns deles e entendo o lado julgado mal deles (risos), apesar de não justificar. Será meu lado psicóloga em ação? Mistério (risos).

Cruella é a vilã de “101 Dálmatas” conhecida em várias versões e neste filme a atriz Emma Stone está fantástica no papel duplo de Estella a menina indesejada que fora criada por uma pessoa que era extremamente amorosa e mostrou a ela este lado. Mesmo sentindo-se estranha a menina tentou levar uma vida normal, mas por onde passava sofria algum tipo de provocação e descriminação por seu cabelo preto e branco, por ser diferente era agredida e reagia agressivamente. Tudo vai caminhando até que por não ter mais opção de escola para ela mãe e filha dirigem-se para Londres, mas uma tragédia acontece e Estella se vê morando nas ruas de Londres do anos 70 junto com seu fiel cachorrinho ambos amparados depois por dois amigos divertidos que sobrevivem de pequenos furtos e muita diversão.

O sonho que move Estella desde criança é trabalhar com moda e para realizar seu sonho o amigo monta um currículo um tanto quanto “mentiroso” e consegue um trabalho de faxineira em grande loja frequentada pela sociedade britânica, mas ela não consegue seu objetivo de chegar a desenhar ou costurar e por fim em dia em que tem que entrar pela madrugada trabalhado na faxina acaba fazendo algumas coisas malucas na vitrine que aborrece o dono da loja, mas chama a atenção da implacável e insana Baronesa, papel vivido por Emma Thompson.

A partir da convivência com a Baronesa, mulher narcisista ao extremo, que enxerga o lado genial e raro de Estella a trama se desenrola colocando a protagonista em contato com o verdadeiro lado da história que ela desconhecia e temos aí o nascimento de Cruella Devill e entramos em contato  com o que ela se tornará em “101 Dalmatas”, ou seja, conhecemos e entendemos a história pregressa da vilã de “101 Dalmatas”.

Eu amei o enredo, a trilha sonora é fantástica, a veia cômica dramática está incrível, sem falar que o filme consegue prender a atenção do espectador do início ao fim. Algumas pessoas criticam o fato de o filme se prolongar em algumas questões, mas vi que este prolongamento foi necessário e importante para a trama.

Outro ponto a ser destacado é que o filme não tem intenção explicita de forçar um lado meigo e ingênuo de Cruella, uma criança geniosa, agressiva que briga com regras e padrões sociais, mas deixa claro sua genialidade e criatividade expressadas em seus desenhos e costuras.  Achei muito bacana este lado do filme de mostrar uma personagem mais humanizada com seus dilemas, não para justificar a “vilania”, mas para entendermos o motivo da vilã ser o que é.

A protagonista e antagonista lindamente construídas, mas os personagens secundários foram criados de forma esplêndida e quando o filme acaba você certamente ficará com a imagem de vários deles na cabeça. Ponto alto para os cachorros que são apaixonantes e, para mim fazer parte do núcleo protagonista. Para quem acha que Cruella odeio os cachorros. Não, não odeia. Passa esta imagem para se favorecer. 

Amei esta releitura da Disney e fiquei com saudade dos livros publicados pela Universo dos Livros, estou propenso a reler alguns. Assistam o filme e depois contem aqui que amarei saber sus opinião.


Beijinhos

Tânia Bueno

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Autores Parceiros