slide

O BAILE

07 janeiro 2014

O Baile
Danielle Steel
Editora Record
159 páginas

O baile se passa em Nova York e narra a história de uma família que têm toda a tranquilidade afetada com um convite para que as filhas gêmeas participem do baile de debutantes do The Arches, um clube que reúne a alta sociedade local. Então temos o caos instaurado, pois a mãe vê o evento como um conto de fadas do qual participou a 27 anos e guarda agradáveis e lindas recordações, principalmente do seu pai e mãe, pessoas muito amadas por ela e que depois desse evento faleceram. O atual marido é judeu e é contra a ida ao baile por considera-lo elitista e discriminatório. Uma das gêmeas deseja participar por ser fascinada pelo glamour e a outra ligada a causas sociais pensa como o padrasto, mas o pai das meninas um playboy bastante fútil quer ambas no evento em que serão apresentadas à sociedade.

Olympia Crawford Rubinstein, uma esposa exemplar, mãe sem igual, uma advogada fenomenal e sócia de um escritório de advocacia, odeia preconceitos, valoriza as pessoas, divorciada há 15 anos está casada há 13 com Harry Rubinstein, filho de judeus sobreviventes do holocausto, ele é juiz da corte federal e no passado foi professor de Olympia do curso de direito, sua segunda faculdade, juntos eles partilham as mesmas crenças, valores e paixões tanto que ela se converteu ao judaísmo após se apaixonar por Harry. Ela é adorada pelo marido, pela sogra Frieda de 76 anos e pelos quatro filhos que têm verdadeira paixão pela mãe. Frieda é uma pessoa divertida e interessante, uma mulher que trabalhou muito junto com o marido já falecido para garantir a excelente formação do filho Harry, seu orgulho. Sobrevivente do holocausto, Frieda não é ressentida e amarga ainda que tenha sofrido demais. “Era uma mulher que havia viajado muito, lia sempre, adorava falar sobre política e tratava todos com carinho” p.69.

Charlie é o primogênito de Olympia é sensato, atencioso, um verdadeiro mediador de conflitos, sempre se esforça para que todos estejam bem. Segundo seu padrasto ele é um “menscer” termo judeu que significa “um homem de integridade e grande valor”. Verônica é reservada, tímida, é a melhor aluna (diferente da irmã gêmea), sempre defendeu as minorias, é ligada a causas sociais e preocupada com questões políticas, razões pelas quais é vista como esquentada e rebelde. Virgínia é mais volúvel, mais popular que Verônica, é “cabeça de vento”, gosta de glamour e de assuntos relacionados à moda. Temos o caçula Max, tem cinco anos, é o mascote da família e amado por todos, é bem humorado e reservado, nos momentos mais tensos arranca muitas risadas da família com suas sacadas e ponderações inteligentes. Para Max a mãe é uma espécie de “sabe tudo”.

Harry ao se casar com Olympia aceitou incondicionalmente os três filhos dela do casamento anterior e os ama como se fossem seus filhos, todos eles consideram-no como um verdadeiro pai por ser extremamente participativo, tem sempre tempo para todos. Olympia ama o marido demais e tem uma relação muito distante com o ex-marido Chauncey um playboy arrogante e esnobe como a atual esposa. Chauncey é o tipo de pessoa que dá nos nervos do leitor, o tipo de cara sem conteúdo ligado ao supérfluo que dá importância a status social, brasões familiares e eventos da alta sociedade, preocupado apenas com o próprio umbigo e extremamente preconceituoso. Fútil e manipulador para exigir que as gêmeas participem do baile ameaça não pagar a faculdade das duas, ou seja, a ideia dele é obrigar Verônica a participar para não prejudicar a irmã, pode este absurdo?

O evento tem significado diferente para pai e mãe.  “Para Chauncey não debutar era algo pior do que a morte. Olympia queria que as garotas se divertissem, mesmo que isso parecesse tolo, mas não estava disposta a ameaçá-las caso não quisessem participar” p.44.

Olympia viverá meses de inferno, pois terá que administrar a decisão de Harry e de uma das filhas de não irem ao baile, o humor instável de Virgínia com medo de não participar, o ex-marido insuportável, questões relacionadas a Max e sua saúde, a sogra lindinha que a apoia e está amando a ideia de participar do baile, pois nunca em seus 76 anos pôde vivenciar um evento conto de fadas, mas este sonho poderá ser afetado com um acontecimento inesperado. Aliado a tudo isto, Olympia, como mãe atenta e intuitiva que é começará a notar que algo está acontecendo com Charlie e embora ele diga que está tudo bem ela sente que tem algo que não consegue identificar. Na realidade ele está vivendo um grande dilema sozinho, tem um segredo a ser revelado e teme perder o amor das pessoas que tanto ama.

Em minha opinião este é um livro fraco perto de outras obras muito boas que li de Danielle Steel como Solteirões convictos e Sua Alteza Real, eu esperava mais. Também não gostei da capa, pouco atraente. Confesso que antes da metade do livro tive vontade desistir da leitura, mas como pego tudo como desafio segui até o final.

Creio que de tudo que vivemos e lemos sempre extraímos lições e, este livro traz como ensinamentos, 1) como lidar com conflitos familiares sem perder a classe e a delicadeza, entretanto acho que a Olympia assumiu um papel de super mulher e, sinceramente, acho que as mulheres com seus muitos papéis como o de mãe, esposa, trabalhadora, dona de casa, administradora, etc tem a capacidade de desempenhá-los de forma fantástica, mas às vezes é preciso saber dizer não e se preservar um pouco mais, é preciso delegar para não pirar. 2) Existem pessoas preconceituosas como o ex-marido de Olympia Chauncey e ela dá-lhe uma grande lição, mostrando a ele que somos seres humanos independente de raça, posição social e credo.

Bom, pessoas queridas apesar de não ter gostado muito do livro, eu creio que toda leitura é válida por ter sempre algum aprendizado e, claro ao ler O Baile você poderá ter uma opinião diferente da minha. Eu gostei mais de outras obras de Danielle Steel.

Desculpem a minha sinceridade, não gosto de postar nada negativo em relação às obras, afinal o autor deve se esmerado e, muito, porém não posso falhar com os meus princípios e valores e neles estão embutidas a sinceridade e transparência.


Beijos dançantes para vocês!

Tânia Bueno

26 comentários:

  1. Oi, nunca ouvi falar deste livro, me parece uma boa historia, mas não conseguiu me chamar a atenção, rs
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gustavo, comprei o livro por já ter lido vários outros da Danielle Steel, mas infelizmente este não chega aos pés dos que já li. Abs

      Excluir
  2. Olá,
    Não costumo ler esse tipo de livro, mas gostei da maneira como você fez a resenha. Foi divertido!

    Abraços!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Tania

    Pelo enredo também não me interessei por esse livro. Gostei muito de saber a sua opinião sincera e também acho que toda a leitura válida, mesmo que não gostemos do livro no final!

    Super bjos
    http://www.i-likemovies.com/

    ResponderExcluir
  4. Puxa, eu estava empolgada enquanto você falava da história... principalmente porque o padrasto das meninas é um sobrevivente do holocausto, hehe, fiquei torcendo pro livro ter algo sobre isso. E já estava torcendo pra elas participarem do baile só pra sogra fofa poder ir!! rs... Mas aí, você começou a dar sua opinião. Murchei totalmente... rs...

    É difícil fazer uma resenha negativa, né? Também não me sinto bem. Mas me sentiria bem pior mentindo e enganando o leitor.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jú, acontecem coisa bem legais, mas perto de tudo que a Danielle Steel já escreveu este deixou muito a desejar. A sogra é uma fofa mesmo, o marido é um baita companheiro, as filhas são legais, Charlie o filho é uma graça em crise. Mas, não me agradou por ter achado muito fraco, mas claro que se não tiver o que ler deve ler. Aliás, gostaria muito de ver resenha desse livro para eu me sentir mesmo culpada. rs. bjs

      Excluir
  5. Os livros da Danielle Steel são romances de banca? Sempre tive curiosidade de esses "livros de mulherzinha", rs. Romances não são meu forte, mas minha vontade é maior. Se puder me indicar algum para iniciar, eu agradeço.

    Beijo,
    Pamela.

    http://odiariodoleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pam, Não sei se é romance de banca, Sei que uma autora que gosto muito já teve vários romances em bancas, mas quando comecei a ler sempre li os livros elaborados e comprados em livrarias ou sebos. Adoro indicar romances. rs. vamos lá
      1) Porto Seguro - Nicholas Sparks
      2) O guardião - Nicholas Sparks
      3) A escolha - Nicholas Sparks
      4) Diário de uma paixão - Nicholas Sparks
      5) A Villa - Nora Roberts
      6) Lua de sangue - Nora Roberts
      7) Beijos Roubados - Nora Roberts
      8) Solteirões convictos - Danielle Steel
      9) Atração implacável - Linda Howard
      10) Matar por prazer - Linda Howard
      11) Belíssima - Nora Roberts
      12) E... muitos, mas muitos outros. rs.

      bjs literários.

      Excluir
  6. Olá Tania!
    Tudo bom?
    Olha concordo que toda leitura é válida, mas se por ventura não me agrado e não consigo ler, eu abandono.
    Sinceramente essa trama não me atraiu, ainda mais depois da sua opinião.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi, quando tá insuportável eu interrompo a leitura e esqueço de propósito o livro em algum lugar, pois poderá ser útil para alguém, porém via de regra sou mais teimosa e dou uma chance principalmente quando conheço o escritor. Teve um livro que li que a maioria das pessoas amaram e eu não "Charllotte Street - Danny Wallace.
      Bjs e cheiros

      Excluir
  7. Oi Tania,
    tudo bem?
    Sua escrita é muito madura, gosto muito de ler suas resenhas. Engraçado, comecei a ler e você novamente me despertou o interesse e no final descubro que não gostou. Embora a história não tenha a princípio um enredo forte, gostei porque a partir de uma questão a história familiar se desenrola. Já vi vários filmes assim e gostei de todos.
    Quem sabe?
    beijinhos.
    cila-leitora voraz
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cila, tudo ótimo e espero que com você também!
      Obrigada pelas observações.
      Minha amiga, que legal que se interessou, quero muito que alguém leia este livro e resenhe e espero que tenha uma percepção diferente da minha. Torcerei para que você o leia.
      Bjs Bjs

      Excluir
  8. Olá Tânia!

    Há autores que tem excelente criatividade para criar tramas como essa que você citou, envolvendo dramas familiares, a premissa do livro é interessante, mas não me atrai, creio que essa seja uma autora voltada mais para o público feminino!

    Abração
    Claudinei Barbosa
    http://resenhandoecontando.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Claudinei, você tem razão acho que a maioria dos livros que li da Danielle Steel é mais voltado para o público feminino.
      Bjs

      Excluir
  9. Oie!
    Sabe ainda não conheço a escrita da autora, apesar de ter uma amiga que a elogia muito.
    Se estou lendo algo que me decepciona eu abandono, tenho tantos livros encalhados, que me sinto meio que 'perdendo tempo' ao insistir em algo que não está bom.
    Bj!

    http://meuhobbyliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gla, a DS tem muitos livros mega legais, este foi um que achei fraco. Quanto a abandonar a leitura, quando emperra de vez eu abandono, mas procuro ler até para ver no que vai dar. Na realidade O Baile não é que seja péssimo, ele é fraco, só isso.
      Bjs

      Excluir
  10. Oi Tania Linda!

    Já ouvi falar bastante bem dessa Autora e acho que foi a primeira resenha '' negativa '' que li que vc escreveu. É bem chato quando agente acaba achando um livro fraco de determinado autor que costumamos gostar da obra. Estou com medo de ler Morte Súbita e acontecer de não gostar também, já que sou fã da autora!

    Tenho um livro da Daniela aqui em casa que comprei a um tempão no sebo, mas acabei não lendo ainda - se não me engano é jogo do namoro o titulo! Conhece?

    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Amiga, eu não conheço Jogo do Namoro, mas já li outros da DS muito legais como: O Rancho, Final de Verão, Solteirões convictos é simplesmente maravilhoso, Cinco dias em Paris eu amei, enfim ela tem romances maravilhosos, só achei o Baile fraco.
      Bjs

      Excluir
    2. Me chamou atenção esse Cinco dias em Paris!
      Sou apaixonado por todos os livro que descrevem um pouquinho daquele lugar! O sonho da minha vida é conhecer!
      Beijos S2

      Excluir
  11. Oi Tania.
    Eu nunca ouvi falar do livro, mas da autora já, apesar de não ter lido nada dela.
    Lendo a resenha não achei a história muito elaborada, tem enredo que parece bem fraco por sinal, mas acho que você foi coerente e sincera, e eu como leitora valorizo muito a exposição sincera de opinião mesmo que negativa.
    Parabéns.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paty, na realidade a história é bem elaborada, mas o enredo é de fato muito fraco perto de outras obras da autora. Obrigada pelo apoio.
      Bjs

      Excluir
  12. Pelo que percebi se girasse mais em torno da família e menos do baile, talvez alguma outra coisa que não fosse um baile...
    Me chamaria mais a atenção...
    E como você quase desistiu da leitura não me enche os olhos...
    Sou como você se começo tenho que terminar...rs'

    Beijos...
    ceciliabraz.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cecília, a temática toda é sobre família seus conflitos e risos, o baile é pretexto central. Como consta na minha resenha, na parte ensinamentos, eu coloco como principal ensinamento as questões relacionadas a família. Aliás a DS sempre escreve sobre dramas e tesouros de família. É isto. bjs

      Excluir
  13. Olá Tania, bom eu lendo o enredo da historia, me peguei gostando bastante da promissa do livro, até porque notei que ali a uns mistérios a serem revelados, e gosto quando há isso em um livro, mas depois eu vi que você disse que a leitura não foi a tão esperada, que ela não lhe agradou. Mas o que você disse: Pode não ter gostado, mas pode ter alguém aqui que vá gostar. Eu mesma me interessei, mas como não tenho o livro já não me empolguei muito, sabe.
    Flor a sinceridade e verdade sem em primeiro, sua opinião é muito valida ela sendo agradável ou não. Por isso lhe agradeço por ela, pela sinceridade.

    Beijokas Ana Zuky

    http://www.sanguecomamor.com.br

    ResponderExcluir