slide

Garota Interrompida

01 fevereiro 2015

Resenha por: Tânia Bueno
Título: Garota Interrompida
Autor(a): Susanna Kaysen
Editora:Única
Gênero: Biografia, saúde mental
Páginas: 189
Compre e Compre: Buscapé
Adicione: Skoob
Nota:
Sinopse: Quando a realidade torna-se brutal demais para uma garota de 18 anos, ela é hospitalizada. O ano é 1967 e a realidade é brutal para muitas pessoas. Mesmo assim poucas são consideradas loucas e trancadas por se recusarem a seguir padrões e encarar a realidade. Susanna Keysen era uma delas. Sua lucidez e percepção do mundo à sua volta era algo que seus pais, amigos e professores não entendiam. E sua vida transformou-se ao colocar os pés pela primeira vez no hospital psiquiátrico McLean, onde, nos dois anos seguintes, Susanna precisou encontrar um novo foco, uma nova interpretação de mundo, um contato com ela mesma. Corpo e mente, em processo de busca, trancada com outras garotas de sua idade. Garotas marcadas pela sociedade, excluídas, consideradas insanas, doentes e descartadas logo no início da vida adulta. Polly, Georgina, Daisy e Lisa. Estão todas ali. O que é sanidade? Garotas interrompidas.

Garota Interrompida é a autobiografia da autora Susanna Kaysen que permaneceu confinada em um hospital psiquiátrico durante dois anos, dos 18 aos 20 anos. Trata-se de um livro cheio de sensações e percepções de uma pessoa considerada louca por ser diferente do que era tido como “normal” por uma sociedade cheia de rótulos, regras e preconceitos, assim, todas as pessoas que fugiam ao tal padrão de normalidade estava condenado(a) ao hospital psiquiátrico.

A análise que Susanna Kaysen faz do período em que permaneceu internada é de uma sinceridade fantástica, até me parece que a vida da autora e das pessoas com as quais conviveu no hospício é pautada exclusivamente em honestidade nua e crua, tipo esta sou eu e penso de tal forma doa a quem doer, suas reflexões, percepções e críticas são totalmente plausíveis e convida o leitor a pensar um pouco mais sobre o que é ser louco e quais são os parâmetros para enquadrar, rotular e estigmatizar uma pessoa como louca. Não estou dizendo aqui que a loucura enquanto rompimento com a realidade, não exista, sim, ela existe e é bastante dolorosa para a família verdadeiramente comprometida e que não usa o doente como bode expiatório.

Susanna Kaysen compartilha sua experiência com o leitor de forma corajosa, pois faz uma análise profunda, questiona muitas coisas e nos apresenta o hospício pelo olhar da paciente, as marcadas deixadas em sua psique e a certeza de que nem todos que vão ou estão no hospital psiquiátrico são de fato loucos, mas ouso dizer que muitos são diagnosticados erroneamente, pois a família/pessoas próximas desejam ver a pessoa que não atende as regras longe, pois inconscientemente esta pessoa mostra que tem algo errado com a estrutura familiar e como muitos enxergam a doença mental como uma praga, como um defeito, um corpo estranho, ela (a família) acaba se justificando que não poderia jamais produzir algo “podre”, “defeituoso”. Muitos não entendem que algumas pessoas têm a estrutura de personalidade fragilizada e precisam de ajuda, de acompanhamento e tratamento humanizado.

Entretanto, no passado bastava não obedecer às normas ditadas pela sociedade para ser taxado de louco/louca, ou seja, era proibido pensar, refletir e manifestar externamente sua discordância com algumas coisas, e acho isto um absurdo. Muita gente passou por internações desnecessárias, receberam choques elétricos, foram lobotomizadas, ou seja, de certa forma foram torturadas e torturar sim é uma doença, não do doente mental ou da pessoa tida como doente mental e sim de uma sociedade totalitária e sem noção. 

Sem falar que a falta de algumas substâncias no organismo pode dar a ideia de que a pessoa tem uma doença psíquica, quando na realidade a coisa toda é física e precisa de tratamento adequado, a autora, inclusive fala de algumas reações químicas do organismo por falta de algum componente e que geram comportamentos parecidos com os das pessoas com reais transtornos mentais. Eu mesma já presenciei efeitos de uma infecção urinária que não responde/cede aos antibióticos administrados, o resultado disso é um quadro muito parecido com uma pessoa psicótica em surto e quem olha pela primeira vez um quadro assim pode concluir: “hospício e internação no manicômio já”, conclusão esta com base nos  delírios/alucinações, agitação motora e desconexão com a realidade, tudo gerado pela infecção que vai tomando organismo todo.

A autora nos conta toda sua história de forma tranquila, com uma escrita leve apesar de o tema ser pesado. Ela traz  muitos questionamentos e que nos leva a muitas reflexões e, minha gente, pela minha experiência na área, decididamente Susanna Kaysen não era e não é louca, creio que sempre foi uma pessoa indignada com algumas questões e à frente do seu tempo e se pensarmos que em 1967 a coisa era terrível, ela sofreu muito por pensar diferente do senso comum, por divergir da pseudo normalidade, por transgredir e ir contra o estabelecido, você entenderá o que quero dizer lendo o livro.

Então, indico este livro com certeza e creio que deveria ser uma leitura obrigatória para estudantes de psicologia e de psiquiatria, é bacana olharmos e entendermos o ponto de vista de uma pessoa que passou pelo hospital psiquiátrico como paciente, embora não devesse ter estado lá.

Beijos loucos, porque a insanidade é saudável de vez em quando!
Tânia Bueno

40 comentários:

  1. Olá, Tania!
    Muito legal a sua resenha. Parabéns! :D
    Eu sou estudante de Psicologia e fiquei bastante interessada por essa leitura. Eu já tinha visto o filme, mas não fazia ideia que se tratava de uma história biográfica. Estou surpresa e ao mesmo tempo louca para comprar esse livro ( louca no sentindo figurado, claro rs)
    Eu achei interessante o que você disse e concordo. No meu curso sempre falamos sobre esses centros, ditos manicômios, e em uma visão geral das pessoas que vem se formando nessa área é que esses centros deveriam acabar. São áreas desumanas e cruéis, que tiram a pessoa do convívio social e da família.
    Parabenizo de novo pela resenha, gostei do seu blog :)

    Luz e literatura sempre!
    Beijos

    https://cantaremverso.wordpress.com/2015/02/02/resenha-clube-da-luta/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana, obrigada! O livro é muito interessante, estas instituições precisam existir, pois muitas pessoas às vezes mesmo medicadas surtam e precisam ser tratadas, o que me preocupa é o fato de muitas ainda serem desumanas e o fato de quando a pessoa ingressa na maioria delas perdem sua identidade ou o pouco que tem, pois ainda que a família leve seus utensílios de higiene pessoal, tudo vira de todo mundo. As família também precisam compreender que a pessoa com transtorno mental precisa desta família.
      Bjs Lindona.

      Excluir
  2. Oie!
    Tenho curiosidade para ler esse livro, mas fico me perguntando se teria 'estômago' para tantos relatos. É incrível (e triste) como antigamente tudo funcionava de uma maneira diferente. Será que a família da autora tinha consciência disso? =| Não tenho palavras para expressar como estou me sentindo apenas ao ler uma resenha. A leitura desse livro seria um grande desafio.

    Mil beijos :*
    Blog Procurei em Sonhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cassia, apesar de ser um tema denso, a autora conta tudo com muita leveza, quando você se sentir mais confortável, vale a pena ler.

      Excluir
  3. Uma das coisas que mais gostei nesse livro foi a discussão dela sobre os limites, até que ponto você é lúcido, e qual é a linha que define a lucidez da loucura? Eu pirei nessa discussão, pq mesmo que os dias hoje sejam outros, é só vermos alguem fazendo algo diferente, que o primeiro pensamento é 'que maluco!'! Será que ele é realmente maluco? Ou ele só se desprendeu de algumas amarras sociais? Será que a maluca não sou eu, de nunca ter tentado fazer aquilo? hahaha! Eu adorei o livro, definitivamente! Um que eu achei interessante, de uma escritora brasileira, é Um neurótico no divã, Tania, da uma olhada, talvez como psicóloga vc possa gostar dele mais do que eu =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A discussão sobre lucidez é uma delícia. As pessoas que rompe com algumas amarras e se permitem SER, muitas vezes são taxadas de malucas. Na verdade todo nós temos uma pouco de insanidade e de verdade, acho isso salutar. hahaha. Vou ler o livro que você indicou. Bjs

      Excluir
  4. Olá!

    Ainda não li esse livro, a premissa parece ser muito boa, gosto de histórias diferentes, principalmente com temas não-comuns

    Abraços, Heitor!
    shakedepalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Tania, adorei o layout novo, ainda não tinha visto, ficou lindo! Adoro biografias, gosto de conhecer as pessoas, suas vidas, seus pensamentos. Garota Interrompida parece incrível!!!
    Beijos
    Porão da Liesel
    Fan page

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Camis, que bom que gostou do layout, ele ficou lindo mesmo. Esta biografia é muito legal e nos faz refletir sobre muita coisa. É incrível. Bjs

      Excluir
  6. Oi Tania, tudo bem??

    Amei a sua resenha... eu tenho esse livro aqui em casa que comprei na revista da avon e assim que der eu vou... fico curiosa em conhecer a escrita da autora que passou por isso e só ela para explicar o que de fato acontece. Eu acho u absurdo alguns tratamentos sem muita justifica e abuso de poder dentro de uma clínica psiquiátrica... eu não tenho noção do que acontece e o que se passa na cabeça deles, mas as pessoas que deveria "ajudá-lo" algumas são desumanas e podemos ter uma ideia por vários filmes que vemos por ai.... não sei se isso que estou falando é certo ou se acontece de fato, mas pelo que pude perceber as olhos de sua resenha parece que isso acontecia sim e a autora passou por isso... fiquei mais interessada ainda pela leitura do livro... Xero!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dih, a autora tem uma escrita muito agradável, vale a pena ler o livro. Os tratamentos na maioria das instituições são realmente desumanos, mas tem algumas que são modelos na forma de tratar, mas são poucas, particulares e caras. A autora passou por tudo aquilo e presenciou algumas atrocidades com outras meninas. Bjs.

      Excluir
  7. Tania estou meio chocada, acredita que não sabia que esse livro se tratava de uma autobiografia? :o :o
    Confesso que não sou muito fão de Biografias, mas esse me pareceu muito interessante. Deve ser meio tenso acompanhar a vida da autora no hospital psiquiátrico.
    Dica anotada!

    Beijos loucos!!! rsrs

    ResponderExcluir
  8. Olá

    Depois que assisti ao filme que fizeram adaptado desse livro fiquei bem curioso para conferir essa biografia. Antes eu olhava esse livro e torcia o nariz, mas nem sabia do que a história tratava. Gostei bastante de como a história é contada, pelo menos no filme e o livro parece ser também bastante interessante. Espero conseguir ler ainda nesse ano.

    Abraço!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Matheus, a história é muito bem contada e nos dá uma dimensão de uma instituição psiquiátrica pelo olhar do paciente. Eu ainda não assisti ao filme e pretendo fazê-lo. Espero que você leia o livro, gostaria muito de saber sua opinião. Bjs

      Excluir
  9. Ola Tania lindona, engraçado qual a linha tênue entre a loucura e sanidade hoje em dia ? Pergunta um tanto complicada . O livro me chamou atenção pela forma como ela relata toda as emoções que esse período causou em nossa protagonista. Super dica de leitura. ótima resenha. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Joy, o que sei através dos anos em que estudei Psicologia é que não existe nenhum ser humano com 100% de normalidade, a linha que separa a "normalidade" da "loucura" é muito limítrofe. bjs

      Excluir
  10. Olá, Tania!
    Esse livro é sensacional! Quando eu o li eu me senti angustiada, sentindo na pele tudo que a personagem descobria, você viver num lugar onde você tem total consciência de que não deveria estar ali. É complicado. rs
    É uma leitura maravilhosa mesmo.

    Beijinhos
    Jaque - Meus Livros, meu Mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jaque, apesar de ser uma tema pesado e que nos deixa angustiadas, mesmo na loucura de muitas das personagens que foram reais, é possível o leitor ler com algumas das presepadas que elas aprontavam e olha que elas sabiam se organizar e muitas vezes manipular o sistema da instituição. bjs

      Excluir
  11. Olá Tânia,

    Eu tô com o e-book desse livro mas não sabia do que se tratava a obra, achei muito interessante o tema e principalmente saber que a autora trata tudo de uma forma leve e descontraida, isso vale a leitura.
    Gostei de saber que é uma autobiografia, é um tema que não tô acostumada, mas gosto bastante de conhecer as pessoas, achei legal isso.

    Enfim, sua resenha está incrivel e completa, fiquei muito feliz em poder ler e conhecer um pouco mais da obra.
    Parabéns!


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Ana que você gostou, vale a pena conhecer a história da Susanna Kaysen, ela tem outros livros escritos, este foi o primeiro que ela escreveu e o primeiro que li dela, pretende conferir os outros. beijos.

      Excluir
  12. Oi Tania, tudo bem?

    Primeiramente, o layout mudou né? Adorei e ficou ótimo flor. Já li Garota Interrompida e amei, a forma com a autora contou sua história me emocionou e me deixou com muita raiva de uma sociedade tão preconceituosa. Ninguém deveria passar pelo que as meninas passaram, e acredito que a leitura é obrigatória para todos.

    Beijos,
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jess, o layout mudou, afinal fevereiro é o niver do meu cantinho. Fico feliz que tenha gostado. Você tem razão o preconceito é totalmente absurdo e concordo que ninguém deveria passar pelo que elas passaram e pessoas passam ainda hoje, apesar de os tratamento terem evoluído, ainda existem lugares com tratamento desumano. Bjs

      Excluir
  13. Oi Tania, sua linda, tudo bem?
    Nossa, que resenha!!
    Seu texto está super forte, você analisou a questão com a importância que ela merece. Eu não sabia e estou chocada. Não tinha o menor conhecimento de que a falta de algum componente e infecções poderiam causar esses efeitos a ponto da pessoa ser equivocadamente diagnosticada. Eu já vi o filme baseado nesse livro, e é bem difícil aceitar o que faziam com as pessoas naquela época.
    Vou ler o livro assim que tiver a oportunidade.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cila, obrigada. Leia o livro e depois me conte o que achou, você já tem uma base, pois assistiu ao filme. Bjs

      Excluir
  14. Oi Tania!

    Eu li esse livro e adorei, ele me chocou demais, fiquei completamente horrorizada com as coisas pelas quais a autora passou, e também não acreditei em nenhum momento que ela fosse louca. Foi uma leitura que me marcou muito, lembro que ela colocou uns formulários da clínica e que no de alta tinha um campo para preencher se a pessoa estava viva ou morta... pensa no absurdo que é isso!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo foi um absurdo. Eu tenho um carinho muito grande com pessoas que têm algum transtorno mental, ele normalmente são muito estigmatizados. Bjs

      Excluir
  15. Olha eu não conhecia a história desse livro, mas a capa dele sempre me chamou atenção e nunca procurei ler. Achei que a sua resenha foi muito bem escrita, porque até agora não tinha lido nada sobre o livro. Mas não sei se no momento eu o pegaria para ler, mas mesmo assim vou anotar a dica, até porque é sempre bom a gente conhecer novos livros né? Enfim...Adorei de verdade mesmo tudo que você falou. Eu só não sabia do que se tratava a história e nem sabia que era sobre a autora. Muito bacana. =]

    Olha é minha primeira vez aqui em seu blog e sinceramente tenho que confessar que amei
    Vou te seguir tá? PARABÉNS pelo seu blog, porque é lindo
    Se cuida

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Olá Tânia, ainda não li o livro, mas ele já esta na minha listinha de desejados <3 Realmente as vezes alguns sintomas podem ser confundidos com problemas psicológicos e por isso é sempre bom procurar mais de um diagnostico para doenças mentais... Espero poder lê em breve o livro e assistir o filme também <3

    Visite o blog "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jess, leia e depois me conte, vale a pena. E você tem razão para qualquer problema é sempre bom ter opiniões de profissionais diferentes. bjs

      Excluir
  17. Oi Tania.
    Sabe que eu nunca dei muita atenção pra esse livro por achar o enredo denso, mas ao mesmo tempo morro de curiosidade pra saber como foi essa experiência da autora.
    Quando terminei de ler a resenha percebi que preciso ler essa biografia pra compreender os pensamentos que levaram Suzana a ser internada.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paty, super vale a pena ler este livro, ele também foi adaptado para o cinema. bjs

      Excluir
  18. Esse livro é real? Tania eu já fiquei chocada com as coisas que você disse na resenha, quem dirá como se sentirei lendo ele! Não sou fã de livros de não ficção, mas acredito que esse valha a pena. Só pergunto uma coisa, essas coisas aconteceram em qual década?

    Beijiinhos ;*
    Andressa - Blog Mais que Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Dreeh, a história é real minha, é a autobiografia da autora que para ter acesso aos registros do período em que permaneceu na instituição teve até que entrar com processo. Vale a pena ler, apesar de ser um tema denso ele tem algumas partes muito engraçadas. Tudo aconteceu na década de 60, mais precisamente de 1967 a 1969, se eu não me engano.
      Beijos

      Excluir
  19. Olá Tânia, tudo bom?
    Quando anunciaram o lançamento aqui no brasil eu achei bem legal a capa, porém, depois de pesquisar bem e me desinteressei um pouco pelo livro. Parabéns pela resenha.

    Abraços, Mr. Souza // { Small Scribble }

    ResponderExcluir
  20. Oi Tânia, tudo bem? Excelente resenha! Sempre vejo o filme no Netflix, mas não parei para assistir pois quero ler o livro primeiro. Realmente deve ser uma história bem impactante pela sinceridade, realmente nessa época devia ser ainda mais difícil ter uma opinião e atitudes divergentes das consideradas "normais". Achei muito interessante a gente ter essa visão do hospício pelo próprio paciente e realmente as situações que ela viveu lá devem ter sido marcantes.

    Não costumo ler autobiografias, mas as vezes é muito bom para ter uma noção do que se acontecesse verdadeiramente na sociedade.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  21. Esse livro foi uma das maiores decepções de 2013. Eu esperava algo mais caótico e chocante, mas é mais um diário do que qualquer outra coisa. Não consegui sentir a loucura da moça, nem como é a sensação de estar em uma clinica psiquiátrica.

    ResponderExcluir
  22. Nossa, eu ADORO esse livro. Li quando eu estava no colégio e tive a oportunidade de reler no ano passado e simplesmente AMEI. É uma história bem densa e profunda. Sem contar que é cruel ver como se tratavam pessoas com distúrbios mentais

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  23. Eu já tinha ouvido falar, mas não sabia que se tratava da história da autora!
    Ela deve ter sofrido um bucado :/ antigamente as pessoas internavam as outras simplesmente por serem diferentes, e muitas vezes elas terminavam por ficar loucas lá. O tratamento de choque, não deveria nem ser taxado como tratamento!
    Quero muito ler o livro agora!
    Deu para ver todo o envolvimento que você teve enquanto lia :3
    Bjs

    www.horadaleitur.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  24. Oi Tania!!
    Quero ler esse livro há algum tempo, parece muito bom!
    Que bom que a autora possui uma escrita leve mesmo se tratando de um tema tão forte.
    E o que aconteceu a ela foi muito cruel, infelizmente antes era proibido pensar diferente, era proibido ter opinião divergente, se assim não fosse as consequências eram graves, como as que aconteceu com ela.
    Vou comprar esse livro assim que puder, pois deve ser muito interessante conhecer tudo isso através do olhar de uma paciente.
    Parabéns pela resenha!

    Beijos
    Lara - Magia Literária
    http://www.magialiteraria.com/

    ResponderExcluir
  25. Oie,

    Esse livro já me chamou bastante atenção, pelo tema ser bem diferente já li um livro com um tema parecido, mas creio que esse não seja um livro que eu leia por agora, já que estou muito preocupada com o vestibular, mas esse livro entraria com certeza na minha lista pós vestibular.

    Mayla

    ResponderExcluir