slide

Um novo amor à vista

18 novembro 2015

Resenha por: Tânia Bueno
Título: Um novo amor à vista
Autor(a): Claudio Quirino
Editora:Madras Hot
Gênero: Chick-lit
Páginas: 168
Compre e Compre: Submarino
Adicione: Skoob
Nota:
Sinopse: Darla é uma típica mulher moderna brasileira – determinada, trabalha, pega condução, tem seus sonhos secretos e ainda está enquadrada na categoria consumidora compulsiva, mas só tem um probleminha: o seu pequeno salário não é suficiente para as suas grandes necessidades. Diariamente tentada pelas propagandas das grifes e incapaz de ignorá-las, ela sempre acaba indo ao encontro de inúmeras bolsas Gucci, burberrys, sapatos Prada, óculos Dolce & Gabbana e suas próprias extravagâncias.
Para variar, o seu namorado de seis meses – Greg – acaba de sair de casa e abandoná-la. Disposta a controlar a sua solidão comprando (mesmo que, para isso, seu nome continue no vermelho), Darla vai, aos poucos, se envolvendo numa série de situações divertidas, otimistas e surpreendentes, capazes de arrancar risadas, à medida que seus pensamentos se decifram aos olhos do leitor. Um Novo Amor à Vista trata, em primeira mão, de cada um dos principais dilemas que afetam o universo feminino e trabalha a autoestima, com um tom cômico, sincero e espontâneo.
Em seu primeiro romance chick-lit, Cláudio Quirino revela um mundo completamente familiar e entrega personagens marcantes, simpáticos e um primeiro livro planejado.

A sinopse explica um pouco a essência da trama então não me deterei em uma apresentação mais pormenorizada. Embora, esteja claro na sinopse que a protagonista Darla seja uma pessoa extremamente consumista e ligada a grifes famosas, tem um salário pequeno e, minha gente, sinceramente com um salário pequeno você só compra réplicas destas grifes famosas. A Darla que nos é apresentada não tem condição alguma de comprar as tais grifes, sorry. Ela não me convenceu.
A protagonista tem 30 anos e tem comportamentos absolutamente infantis, como viver no mundo da lua e se perder em sonhos estando acordada. Tem muitas atitudes dela que realmente me irritaram e como não posso dar spoiler vou dizer apenas que teve um episódio em que ela não se lembra do que aconteceu em determinada noite, se assusta com uma descoberta e se escode embaixo da cama, gente, me poupe eu não consegui nem rir de uma situação dessa, até porque não conheço nenhuma adolescente que faria isso e olha que conheço e me relaciono com muitos jovens.

Ela tem duas melhores amigas totalmente consumistas e tão fúteis quanto Darla, mas ambas têm condições financeiras de arcar com os exageros em compras. Algumas outras situações me irritaram também, por exemplo, alguém aqui tem uma nova amiga que lhe dá de presente uma joia caríssima com apenas alguns dias de relacionamento? Bom, dá para ver que ou eu não entendi nada ou a Darla e sua trupe não me conquistaram pelo fato de serem muito distante de tudo. O ex-namorado Greg que morava com ela há seis meses, saiu de casa e três dias depois volta arrependido, mas se surpreenderá com a posição da Darla. Para mim este Greg é um aproveitador um tanto babaca e você poderá descobrir o motivo lendo o livro, o cara é um sem noção, um total manipulador.

Então, fiquei pensando: este foi o primeiro chick-lit  que li e de cara já não gostei do gênero, mas vou ler outros para ter mais informações e decidi isso a partir de uma matéria que encontrei no blog http://www.lostinchicklit.com.br/p/o-que-e-chick-lit.html em que a autora Julianna Steffens aconselha a não ler apenas um livro do gênero, mas dois ou três para depois se posicionar. Nesta matéria ela traz informações interessantes e vale a pena ler.

Eis um trecho do artigo muito bem pesquisado e escrito por Juliana Steffens e aconselho que acessem o blog dela e leiam na íntegra.
E  depois de tanta leitura e pesquisa o que eu cheguei  a concluir sobre os Chick-Lits?
São basicamente livros escritos sobre mulheres, para mulheres e normalmente por mulheres.  A idade dos personagens principais não importa, podem ser garotas do ensino médio até cinquentonas, suas histórias normalmente são bem humoradas e relatam  o dia-a-dia da mulher moderna, sua rotina  tripla, seus problemas amorosos, de peso, no trabalho, no namoro, no casamento, no divorcio. Enfim,  mil  e uma opções!

Agora você deve estar se perguntando, qual a diferença dos Chick-Lits para as outras ficções para mulheres, como os romances de banca, outro gênero super conhecido e também estigmatizado da literatura feminina?

A linha é bastante tênue, muitas vezes eles se confundem e se fundem. Entretanto o Chick-Lit é contado num tom mais confiante. É quase como se fosse contado pela sua melhor amiga, que te entende  e na qual você se identifica. Outro traço marcante (que os difere das outras ficções para mulheres) é o humor. Chick-Lit que é Chick-Lit brinca e estraçalha ironicamente  com seus  problemas diários e suas inseguranças mais intimas. São relatos do mundo moderno na qual você se pode se relacionar, ou não.

Uma coisa é fato, é um gênero em pleno crescimento, mesmo que aqui no Brasil seja quase engatinhando, lá fora já é espantosamente rentável e difundido. E como todo gênero literário  ele tem suas especificidades e sub-gêneros, que vocês podem observar aqui mesmo no Lost, como : "Teen Chick-Lit " ( que eu adoro) , "Mommy Lit", “Mystery Lit”, entre muitos outros...

Resumindo nem todos os Chick-lits são "livros fofos  sobre o casamento" ( ou sobre a vontade de casar) de mulheres obcecadas com uma tendência exagerada para  a compra de  sapatos". Muitos deles vão  a questões mais profundas do que estas, apesar de serem vendidos como tal. Não se deixem enganar  preconceituosamente pelas capas mais coloridas  do mercado. Sob elas podem estar  seu livro preferido!

E para quem chegou ao final desse texto e ainda torce o nariz para o gênero sem ter provado o gostinho. Eu as (os) desafio! Leia não 1, mas 2 ou três antes de dar o seu veredito, você poderá se surpreender!!”

Mas, voltemos a “Um amor à vista” que traz os dilemas da trintona Darla que é bastante destrambelhada, mora sozinha, é insegura e sempre se liga ou procura identificar as marcas que as pessoas estão usando. Urgh! A vida dela mudará um pouquinho a partir de uma viagem que ganhou como prêmio da loja onde trabalha e nos poucos dias em que passará em Florianópolis/SC vivenciará novas experiências que a marcará e no final, beeem no final do livro percebe-se uma Darla mais concreta.

Talvez eu tenha iniciado a leitura com uma expectativa muitíssimo elevada e acabei me frustrando bastante, mas quero ressaltar que esta foi minha visão e, claro que outras pessoas podem e poderão ter percepções diferentes da minha, ainda bem! Já pensou se todos gostassem somente do azul??? hahaha. Então, não se prendam à minha opinião, leiam e tirem suas próprias conclusões.

Tem pontos positivos a serem destacados como a diagramação que é muito fofa. A escrita do Claudio Quirino é muito interessante e lerei outras obras dele, o livro é bem escrito, a revisão muito bem feita, somente o enredo e a premissa não me conquistaram, razão pela qual considerei o livro regular.

Beijos
Tânia Bueno


8 comentários:

  1. Oi Tania,
    Achei engraçado você falando sobre o fato de ela ter se escondido embaixo da cama.
    É muito bacana quando temos uma primeira experiência com um livro e não gostamos, mas continuamos procurando outro livro para ler, pra ver se funciona.
    Beijos
    Historiar

    ResponderExcluir
  2. Oi Tania.
    Adorei sua resenha. Foi direita e mostrou sinceridade. Eu tenho muita vontade de ler o livro do Claudio por causa capa. Acho bonita e não tenho nenhum problema em ler chick-lit, sempre que aparece uma oportunidade eu leio.

    Bjos

    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Muito bem, resenha super sincera. Chick-lits não é todo mundo que gosta, mas tá uma febre, né? A personagem não convencer acho que foi um complicador e tanto, né?

    ResponderExcluir
  4. Oi, flor.
    Esse livro está entre as minhas próximas leituras e tenho altas expectativas quanto a ele. Isso porque morro de vontade de conhecer o talento do autor, do qual só ouço elogios. Mesmo assim, sua resenha sincera me deixou com algumas reservas e vou me posicionar de modo diferente ao iniciar a leitura. Assim poderei adequar o que espero ao que o livro oferece. Não me desanimei para essa leitura, porque adoro chick-lits!!! E concordo com você quando diz que pretende ler outros livros do gênero. Desejo melhores experiências, flor.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Adorei sua sinceridade com a resenha, e pelos pontos apresentados por você, parece que a história tem bastantes furos mesmo, como o comportamento imaturo dela mesmo tendo 30 anos, e o fato de não ter dinheiro e ser consumista de marcas de grife.
    Já li alguns chik-list que foram super engraçados, mas todos sempre dentro da normalidade, onde parecem situações em que um leitor pode se enquadrar.
    www.gordinhaassumida.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá

    Eu amo chick-lit é um dos meus gêneros favoritos, que pena que esse não te agradou,quero muito ler esse livro porque nunca li um chick-lit escrito por um homem, pelo menos eu não lembro e quero ver como ele conduziu a história.

    Bjss

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Amo muito Chick-lit!!!Que pena que você não teve uma experiência agradável durante a leitura!
    Embora que a maioria dos livros que li foi uma autora que escreveu, será que isso interferiu, ou o autor não sou come discorrer bem o assunto?!?!... Infelizmente nem todo mundo ama esse gênero
    Beijos
    Ariana Silva
    ariabooks.blogspot.com

    ResponderExcluir