slide

Dezesseis - Rachel Vincent

14 agosto 2017

Resenha por: Tânia Bueno
Título: Dezesseis
Autor(a): Rachel Vincent
Editora:Universo dos Livros
Gênero: Distopia
Páginas: 240
Compre e Compre: Submarino
Adicione: Skoob
Nota:

Sinopse: Em um mundo em que todos são iguais, uma garota se destaca por sair do padrão. Uma história promissora e de ritmo acelerado, escrita por Rachel Vincent, autora best-seller do The New York Times.
“Nós temos cabelos castanhos. Olhos castanhos. Pele clara. Somos saudáveis, fortes e inteligentes. Mas só uma de nós já teve um segredo.”
Dahlia 16 vê seu rosto em toda multidão. Ela não tem nada de especial – é apenas uma entre as outras cinco mil garotas que foram criadas visando o bem da cidade. Ao conhecer Trigger 17, porém, tudo muda. Ele a considera interessante. Linda. Única. Isso significa que ele deve ser defeituoso.
Quando Dahlia não consegue parar de pensar nele – nem resistir a procurá-lo, ainda que isso signifique quebrar as regras – ela percebe que deve ser defeituosa também. Mas, se ela for defeituosa, todas as idênticas também são. E qualquer genoma com defeito descoberto deve ser recolhido. Destruído. Ser pega com Trigger não apenas selaria o destino de Dahlia, mas o das cinco mil garotas com o mesmo rosto. No entanto… e se Trigger estiver certo? E se Dahlia for mesmo diferente? Subitamente, a garota que sempre seguiu todas as regras começa a quebrá-las, uma a uma…

Dezesseis foi uma maravilhosa e deliciosa leitura que transporta o leitor para um local que a princípio nos dá a ideia de uma distopia, mas é na verdade uma experiência real de clones humanos criados para diversos serviços, são considerados “coisas” por serem iguais, são humanos idênticos produzidos em números absurdos, tipo 5 mil exemplares / lotes” idênticos em tudo. Para esses humanos só existe a realidade deles que é a cidade de Lakeview e possivelmente outras cidades parecidas com seus próprios cientistas gênios criadores de genomas “perfeitos”.

Trata-se de uma trama extremamente envolvente que cativa desde as primeiras linhas lidas, com personagens muito bem construídos, alguns encantam pela ingenuidade, mas dois deles encantam de forma diferente por transgredirem regras e é assim que conhecemos Dhalia 16 que pertence a um “lote” de cinco mil idênticas, mas ela desde sempre tem questões e sensações que a incomoda por ser coisa totalmente diferente das suas iguais, assim ela vive seus 16 anos achando que seu genoma tem uma anomalia, um defeito que pode fazer com que ela seja descartada. Sim, você querido leitor entendeu bem, o que destoa é eliminado, sacrificado, assassinado... sim, absurdo mesmo. Mas, pior que isso é a cúpula achar que uma anomalia pode ser de todo o “lote” produzido ai a coisa piora ainda mais, pois por causa de uma coisa assim lotes inteiros de clones podem ser exterminados.  Pesado não é mesmo? Eu achei.

“A inveja é uma emoção infantil. A firmeza de nossa cidade depende da força de todos os seus integrantes trabalhando juntos — mesmo aqueles que só plantam verduras ¬—, e será melhor para Lakeview se tanto Olive quanto eu formos boas em nosso trabalho” p.10  
Aqui vemos que o que importa a razão para a qual cada lote de clone é criado, se você é da Força de Trabalho é a isso que se dedicará sem questionamento algum.

Nesta sociedade tem os poderosos, em cada ala tem um e é algo que parece funcionar perfeitamente e sem contato algum com o mundo exterior totalmente infectado, sem contato com florestas, com legumes, flores, frutas que nascem e vivem conforme a natureza determina. Ah! Os nascimentos de humanos como conhecemos produzidos através do contato íntimo com outro humano faz parte de um passado remoto e considerado nojento demais a troca de fluidos. Mas, não se anime querido leitor, pois você vai se surpreender com a manipulação psicológica e o que parece perfeito será devidamente ameaçado.

Pois bem, Dhalia 16 um dia esbarra com Trigger 17 que pertence à turma da defesa e tem algumas regalias para circular e até sair dos limites da cidade, pois todos os clones da defesa precisam aprender a sobreviver sob quaisquer circunstâncias e defender a cidade a qualquer preço, mas Trigger 17 também é uma pessoa que se sente diferente às vezes, entretanto, por fazer parte de um lote especial isso é considerado normal ou coisa do gênero. Dhalia não tem permissão para conversar com nenhum menino que não seja do seu lote e um belo dia fica presa no elevador e acaba quebrando a regra de não conversar com outros, mas vocês verão o quão especial e persistente é Trigger que começa a apresentar possibilidades novas para Dhalia, ela que é da turma da agricultura hidropônica e produz os mais lindos tomates e fica imaginando como seria a produção de todas as plantas e legumes cultivados diretamente na floresta, que gosto teria? Que perfume teria? Como seria sua textura? 

Ela se surpreende quando encontra em sua gaveta uma cenoura e sabe que foi obra do destemido Trigger que prometeu um dia surpreende-la e foi o proibido trazer para Lakeview um produto de fora.

“É fácil seguir as regras quando você nunca tem a oportunidade de infringi-las.” P.64
Divertir-me com esta citação, porque eu sou o tipo de ser que pensa que toda regra foi feita para ser quebrada de alguma forma (risos). Embora eu saiba que elas são necessárias para manter a “ordem”. (risos again)

Encontramos neste livro algumas questões interessantes que servem para muitas reflexões. Se por um lado temos clones criados “perfeitamente” em laboratórios a partir de genomas estudados minuciosamente pelos cientistas e temos uma sociedade de iguais única sem ameaças, por outro lado temos um mundo exterior que parece não ser tão igual ao que vemos em Lakeview, um mundo que usa os Clones que são produzidos apenas para o trabalho e que estão a serviço de pessoas poderosas e nos surpreendemos quando entramos em contato com o diferente. É tipo assim: nós no aqui agora acharmos que somos os únicos seres vivos no universo e que a única forma de vida aceitável para nós são pessoas “humanas”. Como seria se do nada encontrássemos com seres diferentes de nós? Certamente causaria muita estranheza nas pessoas que não acreditam que existam seres viventes em outros planetas.

Na medida em que avançamos na leitura somos surpreendidos de várias formas e em vários momentos, me peguei pensando fora da caixa o que é muito bom, embora eu decididamente não me enquadre com algo linear.  A autora vai conduzindo o leitor de uma forma dinâmica, às vezes divertidas e muitas vezes com muita tensão, algumas surpresas acontecem e prometem mexer com o leitor e fazê-lo ansiar por mais. O final da trama deixa uma sensação de interrogação, mas não uma interrogação sem resposta, é o tipo que nos faz novamente sair do lugar comum e refletir e criar a sequência em nossa cabeça, consequentemente desejar ter o próximo livro na mão para saber como as coisas acontecerão.

Em minha opinião é uma trama que instiga de forma inteligente que mexe com as pessoas que aceita tudo como única condição. Gostei demais da forma como a autora conduz o leitor a pensar em formas de governos e como ela estimula através de personagens chave a questionarmos governos, a não aceitar as coisas como são; a assumir e lutar pelo que se acredita, a ousar experimentar algo novo e o quão doido é ter que entender que apesar de estar fazendo a coisa certa, nem sempre conseguimos salvar o mundo, mas podemos fazer a diferença de alguma forma.

Esta é uma obra que indico sem hesitação alguma por seu conjunto, pela escrita envolvente e fluida da autora que me conquistou e pelo fato de instigar o pensamento fora do convencional, é importante para o todo o pensamento divergente apesar de arriscado em alguns momentos e circunstâncias, mas para evoluirmos precisamos assumir riscos; para mim isto é real.


Conheça um pouco da autora
Rachel Vincent é autora best-seller do The New York Times e conta com uma legião de fãs no Brasil, que se encantaram com a série Shifter, sendo considerada referência no gênero fantasia para jovens. Ela mora em Oklahoma, é bacharela em Inglês e tem uma imaginação hiperativa. Rachel é mais velha do que parece e mais nova do que se sente, mas segue convencida de que, para cada dia que passa escrevendo, um a mais é adicionado ao seu tempo de vida.
Seus autores preferidos são Stephen King, Anne Rice e Faye Kellerman.



Beijos
Tânia Bueno vivendo uma distopia no agora através de Dezesseis.

27 comentários:

  1. Oii, que demais essa dica menina, atualmente a nossa sociedade sempre quer o nosso padrão e isso de certo modo acaba prejudicando e muito, com toda certeza quero ler e saber como os outros irão se comportar diante da garota diferente, amei a capa <3
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bom? :)
    Nossa, que louca essa premissa, meu deus! Clones!! Nunca li nenhum livro sobre essa temática. Em primero lugar, gostei por ser uma distopia, pois amo demais. Depois, essa sociedade explorando e testando esses clones, credo. Chocadaaaaaa! Já to curiosa pra saber como vai se desenrolar tudo. Anotada a dica, parabéns pela resenha, amore!
    Beijos, Yasmim.

    Blog: http://literarte.blog.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, adoro tramas que nos envolvem e nos instigam, que levam o leitor a pensar sobre tudo. Adorei a resenha e pretendo ler o livro algum dia.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Estou louca por esse livro desde que a editora anunciou o lançamento dele. Eu ainda não havia lido nenhuma resenha desse livro e adorei conferir a sua. Acho que é um livro que eu vou colocar entre os meus preferidos.

    ResponderExcluir
  5. Numa época que nem a nossa, livros distopicos estão bem perto da realidade. E acho que é bom o fato de acender essa chama de questionar o governo. Não pedi o livro, mas talvez eu o leia mais pra frente.
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Fiz a leitura dessa trama e adorei a história. Dezesseis foi uma boa surpresa e todo o mistério junto a Dahlia ficou muito bem elaborado com vários diálogos inteligentes.
    Adorei sua resenha!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Parece ser uma leitura interessante, essa coisa de clones e tudo. Gostei da reflexão do perfeito não ser o ideal.
    Vou anotar pra futura leitura!
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oieee
    Apesar de longa a resenha conseguiu abordar a historia sem revelar tudo, achava que a historia era sobre algo totalmente diferente e super me surpreendi.
    Com certeza quero realizar a leitura, me lembrou muito uma série que gosto, quero dar uma conferida
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá, eu já tinha vontade de ler esse livro e essa vontade só aumentou depois de ler sua resenha. Achei super interessante essa premissa dos clones, onde a protagonista se sente diferente dos demais. Fiquei curiosíssima para saber o que mais acontecerá. Certamente lerei quando puder.

    ResponderExcluir
  10. Olá,
    Adorei sua resenha, bem escrita e abordou os principais pontos sobre o livro, mas apesar da sua resenha me instigar a ler esse livro creio que não me agradaria, pois não é o tipo de livro que estou acostumada a ler. Mas agradeço a dica

    ResponderExcluir
  11. Oie!
    A premissa do livro é muito boa, nunca tinha lido nada do tipo, e o fato de ter clones na trana chamou bastante a minha atenção. Também gosto de livros assim, que traz reflexões para o leitor. Sem contar que amo esse gênero de leitura.
    Parabéns pela resenha!

    Beijos!
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Nossa esse livro parece incrível. Eu não o conhecia, fiquei morrendo de vontade de lê-lo. Foi para a lista

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Oi! Estou querendo ler esse livro desde que saiu capa e sinopse, mas estava com um pé atrás sobre a questão do enredo e tudo o mais... Sua resenha ajudou bastante e me deixou com ainda mais vontade de ler! :D

    ~ Compulsivamente Literária

    ResponderExcluir
  14. Olá, é ótimo quando uma leitura é cheia de surpresas. Esse livro está na minha listinha, espero ler em breve!

    ResponderExcluir
  15. Oi.

    Vi umas resenhas negativas da obra e fiquei com receio de comprar e acabar não gostando. Mas é questão de gosto mesmo. Ainda pretendo ler, mas não sei dizer quando vou conseguir comprar. Vou ter que esperar mais um pouco,ainda mais porque tenho uma pilha de livros para ler primeiro.

    ResponderExcluir
  16. Oie amore,

    A capa desse livro é bem intrigante né, e tenho visto bastante gente comentando desse livro por ai.
    Parece se tratar de um livro bem interessante e inteligente... tô curiosa por aqui.
    Anotei a dica!

    Beijokas!

    ResponderExcluir
  17. Oi Tania.

    Eu ainda não tinha lido uma resenha deste livro e confesso que estou com a minha curiosidade a bem alta para saber tudo dessa história. Com certeza é um livro que vai para minha lista de desejados e parecendo uma oportunidade de adquiri-lo, vou comprar e saciar essa curiosidade. Parabéns pela resenha.

    Bjos

    ResponderExcluir
  18. Olá!

    Esse livro parece muito promissor e já está na minha lista a algum tempo, infelizmente ainda não tive tempo para ele, mas até o fim do ano devo realizar essa leitura e sua resenha me deixou mais empolgada ainda. Parabéns pela resenha.

    Beijos e Sucesso!!!

    ResponderExcluir
  19. Esse livro me lembra muito a série Feios. Saudades.... Foi minha primeira distopia!
    Adorei a sua resenha desse livro. Me deu muita vontade de ler ele...


    Beijinhos

    #Ana Souza
    https://literakaos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  20. Oi Tânia!

    Achei muito legal o livro levar o leitor a se questionar, acho que pensar fora do convencional e assumir riscos são coisas bem importantes nessa vida. Estou com meu exemplar pra ler e agora fiquei ainda mais curiosa para fazer isso.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  21. Oi Tânia!

    Achei muito legal o livro levar o leitor a se questionar, acho que pensar fora do convencional e assumir riscos são coisas importantes nessa vida. Estou com meu exemplar pra ler e agora fiquei ainda mais curiosa para fazer isso.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  22. Oi Tânia, tudo bem?
    Eu sou fã de distopias, e estou tentando ler dezesseis, mas o tempo não quer me ajudar rsrss
    O fato dele mexer com a cabeça do leitor e levar a questionamentos e pensamentos fora do convencional é o diferencial que gosto de encontrar nos livros.
    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Oie
    Oiee
    Adorei a dica do livro. Tenho visto resenhas com comentários diversos. Uns gostam e outros nao.
    Porém, sua resenha me fez ficar bem interessada. Os pontos que levantou e a sua empolgação realmente me animaram. Acho que colocarei ele na minha lista.
    Bjo
    Ótimas considerações.

    ResponderExcluir
  24. Já li algumas resenhas desse livro e todos elogiam a narrativa envolvente da autora e a criatividade presente na história. Confesso que lembrei um pouco da série Feios (que adorei) mas no quesito Distopia e reflexão sobre o mundo é o nosso papel de agente modificador da realidade. Gostei de conferir suas impressões. Parabéns pela leitura.

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
  25. Resenha incrível! Não imaginava que a história abordada era assim! Imaginava outra coisa totalmente diferente! Vejo que deve ser uma obra bem rica, por abordar coisas que levantam questionamentos em nós! Estava querendo ler algo diferente assim e Dezesseis vai suprir essa necessidade!

    ResponderExcluir
  26. Oi!
    Essa foi a primeira resenha que li desse livro e gostei bastante de saber seu ponto de vista. Além disso, adoro histórias que, além de envolventes, nos fazem refletir de alguma maneira.
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Oi Taninha, sua linda, tudo bem?
    Essa ideia de produzir seres humanos é sempre assustadora. Na verdade, para mim, é a criação de um exército. E o fato de cada grupo não poder conversar com o outro é muito suspeito. Essa ideia de que a vida é facilmente descartável sempre me arrepia. Você sempre me deixa empolgada para ler um livro, risos.. Adorei sua resenha, estava com saudades delas.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir