slide

Amos e Masmorras #3 - A Missão - Lena Valenti

18 junho 2017

Resenha por: Tânia Bueno
Título: Amos e Masmorras #3 - A Missão
Autor(a): Lena Valenti
Editora:Universo dos Livros
Gênero:Romance policial suspense erótico
Páginas: 274
Compre e Compre: Buscape
Adicione: Skoob 
Nota:

Sinopse: Desde o momento em que os agentes Markus Lébedev, da SVR, e Leslie Connelly, do FBI, se conheceram nas Ilhas Virgens, durante a missão Amos e Masmorras, algo tinha ficado bem claro: a tensão sexual e o desejo iam acabar com os dois. Agora, eles terão que trabalhar juntos para tentar desarticular uma das principais redes de tráfico humano da Rússia. Essa nova missão, nos Reinos Esquecidos, vai pôr à prova o profissionalismo, a ética e os valores de cada um. Nesse caso, dividido em duas partes, colocar o coração em risco pode significar perdê-lo para sempre.
Lena Valenti volta a surpreender e a fascinar com uma trama incrível, cheia de sensualidade, amor, bom humor, originalidade e reviravoltas inesperadas e engenhosas, repletas de reencontros e de cenas de tirar o fôlego. Markus e Leslie vão cativar os leitores mais exigentes, em uma história de extremos na qual a violência e a realidade mais vil se contrapõem à ternura e à compaixão, ensinando importantes lições.

Deliciosamente saborosa foi a leitura dessa obra divertida e completa em todos os sentidos. De cara já aviso, não espere cenas tórridas de sexo o tempo inteiro, não há. Apenas no meio do livro tem transa, mas totalmente dentro do contexto do enredo maravilhosamente construído por Lena Valenti. Então, se você não curte livros eróticos, pode investir neste que é o terceiro livro de Amos e Masmorras e apesar disso pode ser lido independente, pois a autora faz uma introdução que deixa o novo leitor totalmente ambientado em relação aos acontecimentos anteriores, claro nada disso substitui a leitura de Amos e Masmorras – A submissão e Amos e Masmorras – O torneio que você pode conhecer um pouco clicando nos títulos aqui grafados para ler as resenhas deles.


O agente russo Markus Lébedev e a norte americana Leslie Connelly que se conheceram em Amos e Masmorras – O Torneio onde ele atuava como treinador de mulheres sequestradas  para serem submissas a serem vendidas para milionários inescrupulosos e ela atuava como uma agente infiltrada para desmascarar a rede que comandava o tráfico de mulheres. Mas calma, Markus não é o que aparenta ser, afinal ele também é um agente só que da SVR (Rússia) e Leslie do FBI (USA) que estão empenhadas em desvendar uma poderosa máfia que age no mundo inteiro. Agora Markus e Leslie foram designados para Amos e Masmorras nos Reinos Esquecidos – que é uma referência aos estados que faziam parte da antiga União Soviética. A MISSÃO é desvendar a intrigante organização criminosa que sequestra e trafica mulheres para uma rede internacional da qual faz parte máfias de diversos países. Será que juntos FBI (USA) e SVR (Rússia) conseguirão desarticular as ações internacionais de sequestro de tráfico de pessoas que mobiliza bilhões de dólares há décadas?

Temos o Poderoso Dragon chefe supremo da rede ele que está atrás de uma mulher pela qual pagou uma soma de dinheiro absurda e que fugiu com outras mulheres em Amos e Masmorras  - O Torneio Livro II. A agente Leslie funcionará como isca, será reconhecida e correrá risco de vida junto com o grandão Markus que fará de tudo para garantir a vida dela, mas não necessariamente a dele, uma vez que carrega demônios dentro de si e a Missão que pertencia a dois governos tem um objetivo pessoal para ele que foi marcado de todas as formas quando se preparou para ingressar na máfia e teve perdas que o marcaram para sempre e tirou dele sentimentos, brilho, fé e esperança. 

Conheçamos um pouco mais desses dois personagens fascinantes e que nas diferenças se complementam. Leslie fala pouco, mas suas palavras costumam ser fulminantes como uma sentença inteira. Atrevida, severa quando necessário e absoluta, desperta em Markus desejos e sentimentos que não queria sentir nunca mais na vida. Leslie não gosta da vulnerabilidade, por isso nunca se entregou a ninguém apesar de ter mais de trinta anos (talvez por ainda não ter encontrada a pessoa certa).

Markus Lébedev – “olhos nunca confortantes ou benévolos que sempre davam um parecer”. Com relação à Leslie, ele adorava se sentir poderoso, embora ambos gostassem dessa sensação, na realidade ora um era caça e o outro caçador e vice versa. Ele não suporta incompetência, debilidade e nem mediocridade, Encara o trabalho com seriedade, tornando-se inflexível e sem tolerância alguma para erros.

“O terrorismo maior é o de infundir o medo e a dor da morte na cabeça das pessoas” p.82

Então temos Markus com razões para prosseguir com uma missão suicida e vingar perdas que dilaceram sua alma, traz marcas no corpo e na alma e tem a certeza que a sua missão é pessoal e independe de qualquer governo, até porque já não acredita no governo do seu país de origem que está totalmente envolvido e conivente com as ações das máfias. Embora tenha feito um trato com o FBI ele ignora tudo e omite muitas informações de Leslie que acredita no ser humano na boa intenção do governo do seu país, aqui já temos uma divergência considerável entre os dois agentes, que apesar disso, se reconhecem como os melhores parceiros que poderiam ser um para o outro, ainda que Leslie saiba que informações estão sendo omitidas, sente que precisa seguir e apoiar Markus que quer mais é acabar com todos os criminosos por razões justificáveis e que você só saberá lendo esta maravilhosa obra. Leslie é adepta a capturar todos com vida e leva-los à justiça. Nesta briga de gato e rato quem ganhará? Vencerá a Leslie com seu senso de justiça e fé nas instituições? Vencerá Markus que deseja fazer a justiça que sabe que nenhum governo fará já que tem ciência que as máfias controlam tudo mesmo que estejam em prisões de segurança ultra super máxima, pois corrompem tudo? É uma questão que deixarei pendente. 

A obra está mais que recomendada pelo conjunto, especialmente por ter uma parte policial investigativa e de suspense muito bem desenvolvida e que mantém o leitor com 100% da atenção focada na trama, isso diferencia esta obra das duas anteriores cujo foco estava em BDSM, jogos de RPG e um caso comandado apenas pelo FBI. Outro ponto forte que permeia o livro o tempo inteiro é a química faiscante que existe entre Leslie e Markus.

“Leslie tinha feito por ele algo que ninguém jamais fizera; agido com espontaneidade, quebrando e desprezando as regras. Seduzindo-o assim, sem mais nem menos, como uma arranhão na pele, que não se sabia muito bem de onde vinha, mas que deixava uma cicatriz.” (p. 25)

Não posso deixar de falar sobre a minha admiração e reconhecimento aos autores e às autoras que se dedicam a uma pesquisa profunda e extensa antes e durante a escrita de uma obra e fica claro que Lena Valenti se esmerou ao pesquisar sobre o tema para nos presentear com um livro envolvente e com informações importantes e bem aprofundadas. 

O final do livro é simplesmente surpreendendo e nos faz deseja ter o próximo volume nas mãos para saber o que acontecerá, sem falar que o agente Markus Lebedev é um incógnita, ele esconde muita coisa ou será o seu papel? Bom, eu realmente não sei. Sabemos muito bem quem é Leslie que tem uma história de vida bem definida e clara para o leitor, mas não posso dizer nada com relação ao Markus o que me sugere que no próximo livro talvez descubramos mais sobre este grandão que fala pouco, não demonstra sentimento e impõe um certo “medo” com sua presença, será tudo isso uma forma de autopreservação? Putz!! Mais uma pergunta que não tenho resposta. 

Mais uma vez só digo: Leia. Leia mesmo que você não se arrependerá. Ah! Outra coisa não se guie ou se influencie pela capa, o livro é muito mais que ela, acredite em mim.

Trechos que me ensinaram:

Sobre o terrorismo e medo: “Não havia terrorismo maior do que esse: infundir o medo e a dor da morte na cabeça das pessoas”. (82)

Sobre o amor e o príncipe e princesa (engraçado, mas real): “... para ela amor era supervalorizado porque era como uma quimera. Todos estavam atrás dele, e o anseio de encontrar a cara-metade fazia as pessoas enxergarem príncipes quando olhavam sapos, ou princesas quando olhavam rãs. As pessoas não escolhiam bem, por causa do medo de ficar sozinhas.” (p.216).

Sobre máfias e pessoas: “... a máfia não é como um vírus, que se espalha e vai pegando as pessoas. As pessoas se vendem pra ela porque têm medo. São infectadas pelo mal e pelo terror que a máfia desperta.” (p.228).

Sobre envolver-se com determinados assuntos: “... as pessoas  ignoravam certos aspectos e não pensavam sobre questões que fossem além do seu dia a dia. Sabe-se que o ser humano tende a se envolver com determinado assunto só quando ele o atinge pessoalmente.” (p. 233) Nossa, isso é fato!!!

Sobre heróis e vilões: “Os dois eram heróis à sua maneira. E só eram vilões para aqueles que se incomodavam com eles” (p.234).
Incrível como em dado momento uma pessoa é herói e em outro pode ser “julgada” como vilã, o que mais crer que muitas coisas podem ser uma questão de ponto de vista.

Por fim vou encerrar com a tradução de um trecho de Under de Alex Hepburn que está no livro e que achei lindo demais.
“Não me enterre/ Não me decepcione / Não diga que acabou / Porque isso me mandaria para baixo./ Para debaixo da terra / Não diga essas palavras / Quero viver, mas suas palavras podem matar / Só você pode me mandar para baixo, baixo, baixo.” (N. E.)

Leiam esta obra maravilhosa e se surpreenda como eu! Amos e Masmorras #3 - A Missão com certeza leva 5 estrelas!

Beijos cheio de suspense que surpreende!
Tânia Bueno 

Nenhum comentário:

Postar um comentário