slide

Cerberus - Livro 1 Entre Cobras e Ursos

02 abril 2015

Resenha por: Tânia Bueno
Título: Cerberus – Livro 1 Entre Cobras e Ursos
Autor(a): Leonardo Monte
Editora:Novo Século – Novos Talentos
Gênero:Distopia, fantasia sobrenatutal, suspense
Páginas:461
Compre e Compre: Submarino
Adicione: Skoob
Nota:

Sinopse: Cerberus - O terror está instituído pela fome, pela doença e pela miséria humana... A esperança como uma vela de pavio curto... morrendo... aos poucos. Canibais, Calabans, Mordecais, Pashits, Ankh-o-rus, Beliahs, Banshees, licantropos e toda sorte de criaturas que antes só existiam em nossos mais terríveis pesadelos vagam pela Terra indiscriminadamente... destruindo, aterrorizando... e, às vezes, até convivendo conosco em uma relação de total dominância...
Cidades viraram ruínas... As pessoas voltaram a viver em vilarejos e feudos, sem um poder central, servindo a governantes tiranos e sanguinários que as exploram cada vez mais e mais... O medievo voltou... A era das trevas flagela novamente a Terra...
A humanidade está a ponto da extinção...
Em um ato de desespero, o Vaticano decidiu criar em diversos lugares do mundo as Academias de Caçadores... No Brasil criou-se a Cerberus...
Nesse sombrio lugar, dominado pela fé cega e padres ortodoxos, corredores escuros e úmidos, luz de velas e treinos sangrentos, calabouços e forcas, encontraremos alguns de nossos personagens: crianças doadas em suas primeiras semanas de vida para transformarem-se em caçadores de extraplanares... Passarão oito anos de duras provações até sagrarem-se dignos... ou perecerão no caminho? Os fracos não servem a Cerberus... Você está preparado?



“... E o mundo foi em frente. Ninguém estava vivo há décadas para saber o que realmente aconteceu... A tecnologia se fora e a humanidade voltou a viver uma era medieval. Os extraplanares, seres que antes só existiam na imaginação, passaram ao nosso mundo e começaram seu trabalho macabro de destruição. A humanidade entrou em extinção... Cidades viraram ruínas e as pessoas que sobraram se organizam em vilarejos, muitas vezes comandados por tiranos com mão de ferro... a comida é escassa, o controle de natalidade, uma obrigação, e o canibalismo... uma das poucas saídas... A fé cristã voltou a ser o poder central da humanidade... E as academias de caçadores, sua única esperança...”

“O destino os fez guerreiros. – A amizade os fez irmãos. – O sangue os fez heróis.”

Iniciarei contando algumas conquistas, descobertas ou seria quebra de paradigma? Hummm... deixo para vocês diagnosticarem hahaha. Bom, todos que me acompanham sabem que sou totalmente avessa aos gêneros horror, terror, sangue em demasia e outras coisinhas mais, mas fui convencida a ler Cerberus pelo autor da obra. Calma eu explico. Tive a grata satisfação de um dia estar no Facebook conversando com a querida amiga Rosângela Alves, fanática por leitura como eu e mais algumas pessoas, estávamos debatendo sobre o filme Cinquenta Tons, quando postei minha opinião e análise psicológica sobre o livro e a minha defesa ao casal de protagonistas, quando de repente surge uma pessoa que se sentiu atingida pelo meu comentário (ressalto que não estava mirando em ninguém), mas de forma imediata Leonardo Monte entrou e perguntou brincando se o recado era para ele, dei risada, muita risada e disse que não, que era minha opinião e não tinha destinatário e assim começou uma amizade deliciosa e logo descobri que ele era escritor e me apresentou a Cerberus, resisti muito, mas ele me convenceu enfatizando que não é o tipo de obra que me aterrorizaria a ponto de não me deixar dormir, então resolvi investi e confesso que foi uma grata surpresa, daquelas que nos deixam felizes e nos conquistam para sempre.

Vamos lá... A sinopse dá uma ideia bastante completa do que trata esta obra tão bem escrita e envolvente que está situada em um mundo pós apocalíptico, acho que uns 300 anos de nossa época, uma terra destruída, com famílias destruídas, crianças retiradas de seus genitores para serem protegidas e treinadas na tentativa de no futuro restabelecerem a ordem e o resgate da verdadeira essência e valores esquecidos, uma terra dominada e os humanos sendo tratados como “lixo”, com fome e se submetendo a todo tipo de violência para conseguir o que comer.

É neste contexto que os poucos humanos restantes se juntam para viverem em pequenos grupos em vilarejos precários, em feudos que tentam se organizar, ainda que precariamente, para garantir o mínimo de segurança e alimento, mas eles também servem de alimento para canibais, eca odeio isto, mas foi escrito e apresentado ao leitor de forma tão tranquila que não me deixou com temor e asco. Então, temos escolas criadas no mundo inteiro para resgatar e preservar a Terra. São escolas estratégicas que seguem regras rígidas (entendam, necessárias, considerando a situação), escolas estas dirigidas por padres que acabam por assumirem um papel de educadores, uma espécie de tutores, guardiões das crianças e adolescentes. Nestas escolas temos professores de diversas disciplinas e aqui tive a impressão de voltarmos historicamente no tempo, pois tinham aulas de como construir armas bastante arcaicas, mas de fundamental importância, aulas de lutas, de como usar cada arma, lembremos que as armas conhecidas por nós não existem mais, nem tecnologia alguma.

A escola do Brasil Cerberus recebe crianças muito pequeninas e as educam em tudo, preparando-as para enfrentar um mundo de hostilidade, elas permanecem na Cerberus até 18 anos, neste tempo se organizam em grupos, bandos que tem um código, nome e partirão em algum momento para defender o pouco que restou da Terra. Cada bando é formado por meninos e meninas gabaritados e com papéis bem definidos que são: dois corsos, um cão de guerra que é o coração do bando, um padre, um armeiro, o artilheiro, o corso que acaba tendo uma relação de extrema intimidade com sua arma “o corso compreende que sua vida depende da qualidade dela, e ela sabe que sua existência só é válida se estiver nas mãos de seu dono” p.53

Têm muitas personagens do bem e “dumau”, todas muito bem construídas e transmitem um realismo tão grande que às vezes me senti dentro da Cerberus vivenciando as inúmeras aulas e treinamentos, torci muito por muitas personagens e amaldiçoei algumas pela maldade, pelo desejo de obterem o poder a qualquer preço, perdendo o pouco de dignidade que tinham, traindo amigos, vendendo a alma para o diabo e toda sorte de troca pelo maldito desejo de poder, pela possibilidade de dominar e até de escravizar.

Cerberus – Livro 1 Entre cobras e Ursos traz muito de um bando que tem o nome Ursos Vermelhos, foca bastante nas seguintes personagens: Renan, Max, Veber, Samuel, Caio, Illian, Borges, Julius, Mônica, João Pequeno, Padre Izidro que é uma pessoa incrível, Oligui, Alfredo, Francisco – um lobo em pele de cordeiro. Aí temos as personagens assustadoras, demônios divididos em classes... sim, tem uns um tanto retardados e outros muito do mau, então para você se familiarizar eis: alabans, mordecais, pashits, ankh-o-rus, beliahs, banshees e licantropos.

O autor Leonardo Monte foi muito feliz com a criação de tudo que a obra traz, é fantástico constatar que a amizade verdadeira prevalece e sobrevive a tudo, perceber que quando uma pessoa tem valores consistentes estes são armas poderosas contra muita coisa. O autor criou uma obra notável com uma linguagem simples e próxima ao mundo do jovem. Você pode me perguntar: então é uma obra juvenil, Tânia? Eu diria que sim e não, é uma obra que com certeza o jovem amará ler, mas adultos amantes de uma boa trama também terão muitos ganhos, pois o livro é cheio de possibilidades de reflexões, traz dilemas e vicissitudes do mundo e embutido um convite para que o leitor adulto revisite sua adolescência, relembre muitas coisas com a possibilidade de entender e constatar que alguns conflitos, experiências, vivências, descobertas, infinitas questões por vezes existenciais estão presentes na vida de todo jovem independente do tempo.

A obra tem a narração principal em terceira pessoa, mas abrindo cada capítulo a narração é em primeira pessoa na voz do Renan que é uma pessoa incrível, muitas vezes tive a sensação de que ele estava em momentos de recordação, de escrita e/ou leitura de um diário pessoal. O autor se preocupou em demarcar muito claramente quando a narração é em primeira pessoa, pois muda a fonte, então não confunde em hipótese alguma, muito pelo contrário este recurso enriqueceu e deu dinamismo a obra. A leitura é envolvente e capta totalmente a atenção do leitor, pelo menos no meu caso eu queria chegar logo ao final da obra que está longe de assustar e aterrorizar um ser ou seres medrosos como eu. A trama toda é muito bem amarrada, traz a deliciosa sensação de ter começo, meio e fim, ok... é o livro 1, mas ele não deixa praticamente nenhuma ponta solta e nem a sensação de uma interrogação no rosto, tipo e agora vai continuar? Fiquei com a sensação de que Leonardo cumpriu muito bem a missão de dar um fechamento sensato para esta obra que, certamente, poderia ser transformada em um filme, pois com certeza atrairia muitos expectadores. 

Agora, minha próxima missão é ler o livro 2 para acompanhar a escola Cerberus, seus professores, alunos, padres e quero ver o que acontecerá com um determinado padre muito F.D.P. como odeio este ser que manipula o tempo todo. Quero ver se verei novamente a bruxa Núbia gostei muito dela, aliás, costumo gostar de algumas bruxas.

Cerberus está mais que indicado, como sei que no mundo da blogosfera tenho amigas medrosinhas como eu, já aviso que é tranquilo ler este livro, vale a pena investir e se você gostou de Mad Max com certeza gostará de Cerberus. Tem muita aventura, muita luta, jogos olímpicos, muitas descobertas, tem o romantismo do primeiro beijo, primeiro amor, primeira transa, os medos, a vontade de chorar em algumas circunstâncias seja homem ou mulher, tem investigação, traição, desejo de poder, dúvidas sobre o futuro, a busca da verdade, enfim é uma trama envolvente, pode ter certeza.

Então para encerrar eis alguns quotes que me marcaram.

“... você tem a necessidade de vencer para provar a si mesmo que é digno.” P. 103

“... para um coração apaixonado, não existe idade. E o amor estava tocando todos os tambores dentro do peito.” P. 149

“...fé nada mais é do que uma forma de energia estável, em equilíbrio, em harmonia! Quando você acredita em alguma coisa, gera um campo de energia estável, harmonioso.” P.151

“Vontade é tudo!” p.151

“Um líder precisa aprender a confiar no seu bando, delegar tarefas e ser paciente com os fracassos. Não precisa aceita-los, mas entender que seus subordinados têm tempos diferentes para aprender e executar alguma tarefa. Porque são pessoas diferentes e têm limitações distintas.” P.254 (Demais, Renan!!! Aprendeu com Samuel e compartilha com o leitor o que é ser líder e eu concordo plenamente. Muito significativo).

“Líder não se define, ele se mostra.”... “-Liderança não se impõe, é conquistada, mesmo que você não queira” P.254.

“Um líder deve se sacrificar pelo seu time, tem a visão de que o que importa é o resultado da equipe, e não o dele.” P. 266

“Ser homem não significa não ter medo, pois esse sentimento nunca se esvai do corpo.” P.326
“Meu pai me falou que ser forte não ter vergonha de chorar. Ser forte é chorar sem vergonha.” P.368

Peço que me desculpem, pois me empolguei com a resenha e ficou um pouco longa.

Beijos misteriosamente assombrosos, mas sem medos pelo menos até aqui!
Tânia Bueno

12 comentários:

  1. Olá!
    Apesar de sua resenha está maravilhosa, o enredo da história não me prendeu.
    Não curto esse tipo de leitura, acho meu enfadonha. Mas quem sabe mude de ideia para frente.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Tania, é a primeira vez que passo por aqui e devo confessar que gostei muito do seu cantinho, parabéns pelo blog! Quanto a resenha, também adorei esse livro do Leonardo! Além de simpático, ele sabe como prender o leitor! Concordo com as suas impressões do livro, eu gostei muito da narrativa mais masculina e acredito que a complexidade do enredo está na associação das consequências do que aconteceu com como cada personagem lida com seus próprios dilemas! Foi uma leitura fantástica, esse primeiro volume da série Cerberus tem um lugar especial na minha estante!! Ahh, e eu não acho que sua resenha ficou grande não! Adorei a profundidade das suas avaliações!

    Até mais!

    http://prologodaleitura.blogspot.com.br/
    Se você tiver interesse esse é o link da minha resenha de Cerberus 1: http://prologodaleitura.blogspot.com.br/2014/01/entre-cobras-e-ursos-cerberus-01.html

    ResponderExcluir
  3. Oii,tudo bem?
    Eu ainda não conhecia o livro mas a premissa me chamou a atenção, eu adoro livros que se passam em cenários apocalípticos rsrs, ele já está na minha listinha.

    www.fonte-da-leitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Taninha, sua linda, tudo bem?
    Você leu!!!!!!!!
    Fico muito feliz que tenha gostado, esse é um dos meus livros preferidos. A narrativa do Leo é muito densa, a história é muito forte. Eu não gosto dessa escola, algumas pessoas realmente são cruéis, em vários momentos quis me colocar no lugar deles, para lutar no lugar deles, é desesperador eles terem que enfrentar o que eles enfrentaram. Mas é lindo o sentimento de lealdade do grupo, da amizade deles, nossa, só de lembrar já fico toda arrepiada!!! Eu sou suspeita para falar. Sou fã do trabalho do Leo e esse livro me surpreendeu de várias formas.
    Adorei sua resenha e torcendo para que se aventure na continuação.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Tania, tudo bem? Achei bem legal o modo como você conheceu o autor e a forma como ele te convenceu a ler a história. Achei o enredo bem interessante e que bom que a forma como o autor conta as coisas não nos causa asco. Achei bem interessante sobre as escolas. Adorei a resenha!!

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  6. Tania, mesmo você sendo medrosa como eu (não sei se tãããooo medrosa quanto eu! rs) e tendo gostado, não sei se quero ler esse livro. Li algumas resenhas que diziam que ele tratava de temas bem fortes, coisas que acredito que mais me embrulhariam o estômago que me aterrorizariam, e acho que gosto menos ainda de livros que me embrulham o estômago. Enfim, mesmo ele dando tanta importância à amizade verdadeira e aos valores consistentes, por enquanto não vou ler, mesmo que uma amiga (a Becca) tenha me convencido a comprar há séculos atrás e ele esteja aqui na estante me olhando... rs...

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  7. Olá, Tania!
    Eu sou completamente o contrário, tenho paixão por livros/filmes sangrentos. É muito gratificante ver autores nacionais se destacando assim. Adorei a história e a sua resenha. Tá aí um livro que é minha cara.
    Abraços

    www.estantejovem.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Tânia!
    Antes de tudo, sua resenha está impecável.. Parabéns!!!
    Agora quanto a história, não sei rs
    Gosto de histórias apocalípticas, mas essa premissa não me prendeu muito.. Talvez não tenha curtido mto a entonação que o autor deu, sei lá....
    Mas valeu pela dica!!!

    Bjo
    escritaseleituras.weebly.com

    ResponderExcluir
  9. Oi, Tânia!
    Gostei muito da premissa desse livro.
    A sua resenha nos passa bem o que esperar, e parece ser um mundo repleto de aventuras e mistérios. Gosto muito de universos criados dentro de escolas assim, Estilo HP. rs
    Vou anotar a dica para ler assim que puder.

    Beijinhos
    Jaque - Meus Livros, Meu Mundo.

    ResponderExcluir
  10. Oi Tania, tudo bem??

    Eu já tinha ouvido falar desse livro nacional... e ele é bem o tipo de leitura que gosto... distopia pra mim é vida rs... pela sua descrição sei que vou adorar... adoro toda a situação abordada na sua resenha... quando vejo esse tipo de escrita fico completamente apaixonada ainda mais se tratando de nacional... nunca tinha lido uma resenha do livro, por isso eu acho que ele não estava na minha lista, mas agora está rs... Xero!

    ResponderExcluir
  11. Olá, Tania!
    Eu sou bastante medrosa rsrs Mas eu gostei muito dos elementos positivos que você destacou do livro. E como eu gosto de histórias pós-apocaliptica, eu acho que posso gostar dessa leitura principalmente porque você destacou que a escrita do autor é simples e eu não gosto muito de escritas rebuscadas. Parabéns pela resenha! Amei a indicação :D

    Luz e literatura!
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oiii
    Não conhecia o livro, mas achei a capa maravilhosa! A sinopse também me agradou, e você, com sua resenha, me deixou com ainda mais vontade de ler.
    Adoro livros que se passem em um mudo pós-apocalíptico, então acho que irei gostar da leitura.
    Espero ler em breve!

    Beijos
    http://www.sacudindoaspalavras.com.br/

    ResponderExcluir